Intervenção Federal

Soldados do Exército fotografam moradores de favelas do Rio para checar antecedentes

Segundo o Comando Militar do Leste, a atuação do soldados é "legal" e feita regularmente

O coronel Carlos Frederico Cinelli, chefe da comunicação social do CML, disse que as fotos são apagadas depois de enviadas para o sistema da Polícia Civil ( Foto: Mauro Pimentel / AFP )
14:33 · 23.02.2018 por Estadão Conteúdo

Moradores de favelas alvos de operação das Forças Armadas nesta sexta-feira (23), no Rio, estão tendo seus rostos e RGs fotografados pelos soldados que atuam desde a madrugada na Vila Kennedy, Vila Aliança e Coreia, todas na zona oeste do Rio. A operação conjunta do Exército com as forças policiais do Estado conta com 3.200 militares, que fazem cerco às favelas.

De acordo com o Comando Militar do Leste (CML), a atuação dos soldados é "legal" e feita regularmente. "Trata-se de um procedimento feito regularmente, legal, cuja finalidade é agilizar a checagem de dados junto aos bancos de dados da Secretaria de Segurança", explicou o coronel Carlos Frederico Cinelli, chefe da comunicação social do CML. "Uma vez enviada para o sistema da Polícia Civil, a foto é deletada."

Segundo Cinelli, a checagem através das fotos visa causar "menos transtorno" às pessoas. "Caso não fosse feita assim, essa checagem demandaria muito mais tempo e transtorno ao cidadão", considerou. "A checagem é feita quanto a mandados de busca em aberto e consulta à ficha de antecedentes criminais."

O coronel esclareceu ainda que a medida é autorizada pelo decreto da Garantida de Lei e da Ordem (GLO). "O procedimento está amparado pelo decreto de GLO, que faculta a realização de inspeções e revistas no âmbito de uma operação desta natureza", afirmou Cinelli.

A operação nas favelas da zona oeste ocorre dois dias depois que o subcomandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Vila Kennedy, Guilherme Lopes da Cruz, de 26 anos, foi morto ao reagir a uma tentativa de roubo. 

Na terça, o sargento do Exército Bruno Cazuca também foi morto na zona oeste ao reagir a um assalto.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.