investigação

Reprodução de morte de Marielle confirma que arma usada foi uma metralhadora HK MP5

Com a descoberta, a Polícia Civil pretende periciar todas as armas desse tipo que pertencem às forças de segurança do Rio de Janeiro

O carro em que estava a vereadora Marielle Franco foi atingido por nove tiros ( Foto: Reprodução / TV Globo )
12:07 · 12.05.2018 / atualizado às 12:31 por Estadão Conteúdo
A reconstituição do assassinato de Marielle Franco demorou mais de 5 horas e contou com a presença de quatro testemunhas que estavam no local na noite do crime ( Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil )

A reprodução simulada (reconstituição) do assassinato da vereadora do Rio Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes confirmou que a arma utilizada no crime foi uma submetralhadora HK MP5. Com isso, a Polícia Civil pretende periciar todas as armas desse tipo que pertencem às forças de segurança do Estado do Rio de Janeiro.

A informação é do jornal "O Globo", citando fontes ligadas à investigação. O laudo oficial da reconstituição, realizada na madrugada de sexta-feira (11), deverá ficar pronto somente no próximo mês.

LEIA AINDA:

> Testemunha liga vereador e ex-PM a assassinato de Marielle
> Mãe de Marielle 'não quer acreditar' em participação de vereador no assassinato da filha
> Vereador nega envolvimento na morte de Marielle Franco e diz que notícia é factóide
> Investigação está chegando ao fim, diz Jungmann sobre caso Marielle
 

A reprodução simulada, que demorou mais de 5 horas, contou com a presença de quatro testemunhas que estavam no local na noite do crime. Durante a reconstituição, os policiais efetuaram tiros com balas de verdade e com diferentes tipos de armas, a fim de que as testemunhas pudessem identificar se o som dos disparos era semelhante ao ouvido quando Marielle e Anderson foram assassinados.

Há um número reduzido de submetralhadoras como a MP5 no Estado do Rio de Janeiro. Estas armas são utilizadas por forças especiais das polícias Civil, Militar e Federal.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.