Datafolha

Preso, Lula lidera intenções de voto com 31%; sem ele, Bolsonaro e Marina empatam

A pesquisa para as Eleições de 2018, realizada entre os dias 11 e 13 deste mês, apresentou um cenário ainda mais indefinido para a presidência do Brasil

09:30 · 15.04.2018 / atualizado às 15:55
Lula 2018
Nos cenários em que é incluso como candidato à presidência em 2018, Lula lidera intenções de voto ( Foto: AFP )

A prisão do ex-presidente Lula tornou ainda mais indefinido o cenário eleitoral para a presidência, neste ano. De acordo com pesquisa do Datafolha, divulgada neste domingo (15), o petista ainda lidera com até 31% nas intenções de voto, nos cenários em que é incluso como candidato – sem ele, o deputado Jair Bolsonaro (PSL) e a ex-senadora Marina Silva (Rede) aparecem empatados na disputa, devido à margem de erros que é de 2 pontos percentuais.

No cenário com Lula (PT) e Meirelles (MDB) candidatos e Temer fora, o petista venceria o primeiro turno com 31%, seguido por Bolsonaro, com 15%; e Marina Silva (Rede), com 10%. Em quarto lugar, aparece um nome inédito nas eleições presidenciais: o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa (PSB), com 8% das intenções de voto. Geraldo Alckmin (6%) e o cearense Ciro Gomes (5%) empatariam tecnicamente – Meirelles aparece com 1%.

Já se o PT lançar o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad no lugar de Lula, segundo a pesquisa, ele teria apenas 2% dos votos, e Bolsonaro largaria com 17%. Atrás dele, viriam Marina Silva (15%), Ciro Gomes e Joaquim Barbosa (9%) e, em quinto lugar, Alckmin (7%). 

Se o nome do ex-governador da Bahia Jaques Vagner aparecer como substituto de Lula na candidatura petista, os números se mantêm praticamente inalterados, com exceção de Geraldo Alckmin, que levaria 8% dos votos.

 
Untitled infographic
Infogram

PT e Temer fora

Em um cenário com o Partido dos Trabalhadores e o atual presidente Michel Temer fora da disputa presidencial de 2018, Bolsonaro e Marina seguem colados na liderança, com 17% e 16% das intenções de voto, respectivamente. Joaquim Barbosa e Ciro Gomes mantêm o empate com 9%, à frente de Alckmin, com 8%. 

Em todos os cenários, os dois candidatos de esquerda apoiadores de Lula têm resultados semelhantes: Manuela D’Ávila (PC do B) atinge no máximo 2% e Guilherme Boulos (PSOL) chega a 1%. 

Segundo turno

Os cenários para um possível segundo turno são ainda mais divergentes, conforme a pesquisa, exceto pelo fato de que, se Lula chegasse lá, venceria todos os possíveis oponentes. Contra Bolsonaro, o petista venceria com 41% dos votos, enquanto o adversário ficaria com 31%, e 19% votariam branco ou nulo.

Já se Lula e Alckmin concorressem, 48% votariam no petista, 27% no tucano e 23% branco ou nulo. Contra Marina, Lula seria presidente com 46% da preferência, contra 32% da candidata e 21% de votos brancos ou nulos.

Sem Lula, o PT perderia para Bolsonaro e Alckmin em todos os possíveis cenários de segundo turno, com Haddad ou Jaques Wagner. Já Marina Silva seria eleita presidenta com 44% da preferência brasileira se concorresse com Bolsonaro ou Alckmin.

O cearense Ciro Gomes empataria com os candidatos do PSL e do PSDB em 35% e 32%, respectivamente, caso chegasse ao segundo turno - no cenário ao lado de Alckmin, porém, os votos brancos e nulos venceriam ambos, atingindo 33%.

Sem a esquerda no páreo, Geraldo Alckmin (33%) empataria tecnicamente com Jair Bolsonaro (32%).

A nova pesquisa foi feita entre quarta (11) e sexta-feira (13) com 4.194 eleitores de 227 municípios, e tem margem de erro de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Segundo o instituto, não é possível comparar os resultados do último levantamento, de janeiro, com o atual, já que a situação de pesquisa foi diferente.

Lula mantido

O registro da candidatura de Lula, preso no último dia 7, não é descartado pelo PT, que declara manter a intenção de registrar a candidatura do ex-presidente. A Lei da Ficha Limpa impõe veto à participação do petista, mas a legislação permite que ele peça registro mesmo preso. Cabe, então, à Justiça Eleitoral analisar o pedido. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.