estratégia

Nove diretórios vetam nome do MDB na disputa presidencial

O receio do comando emedebista é de que a impopularidade de Michel Temer grude nos candidatos e prejudique o resultado nas urnas

09:41 · 11.05.2018 / atualizado às 09:51 por Estadão Conteúdo
Nove diretórios vetam nome do MDB na disputa presidencial
Eunício Oliveira afirmou ser "difícil" a sigla lançar candidato à Presidência ( Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil )

Pelo menos nove diretórios regionais não querem que o MDB apresente candidato próprio à sucessão do presidente Michel Temer. O cálculo foi apresentado em jantar nesta quarta-feira (9) na casa do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), com políticos do MDB e outros partidos. Embora Temer tenha dito, em entrevista ao Broadcast Político, que apenas "dois ou três diretórios" têm essa posição, a estratégia planejada pela cúpula da legenda consiste em evitar que uma aliança nacional atrapalhe as negociações nos Estados.

> 'MDB não ter candidato em prol de uma convergência está na mesa' afirma Jucá

O receio do comando emedebista é de que a impopularidade de Temer grude nos candidatos e prejudique o resultado nas urnas. Eunício conversou nesta quinta-feira (10), com o presidente, no Planalto, para tratar de votações no Congresso, mas, à saída, disse que ele o deixou "completamente liberado" para fazer coligações no Ceará, seu reduto eleitoral. Lá, o senador articula uma dobradinha para se reeleger em composição com o PT.

Liberados

Na mesma linha do presidente do MDB, senador Romero Jucá (RR), que admitiu à reportagem uma articulação para que o partido não lidere chapa, Eunício afirmou ser "difícil" a sigla lançar candidato à Presidência. Além do Ceará, diretórios do MDB em Alagoas, Sergipe, Santa Catarina, Goiás, Minas, Paraná, Bahia e Pará preferem ficar liberados para fazer coligações conforme interesses regionais. Nem mesmo a vaga de vice interessa a esse grupo, que se movimenta para derrubar qualquer ofensiva oposta na convenção do MDB, em julho.

"Já perdemos 15 deputados e sete senadores. Imagine, num cenário desses, ter Michel candidato. E Meirelles então? Nem pensar", disse o senador Renan Calheiros (AL), hoje desafeto de Temer. Renan participou do jantar na casa de Eunício, que reuniu Jucá e outros senadores, como Eduardo Braga (MDB-AM) e até Acyr Gurgacz (PDT-RO).

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.