Encontro de Políticos e Empresários

Nos EUA, Ciro chama homem que comemorou prisão de Lula de 'bobão'

O pré-candidato disse também que considera arbitrária a resistência de Lula em se entregar, mas que um homem que "fez tanto por tanta gente" merece "mais dignidade"

Questionado sobre sua reação à prisão do ex-presidente, Ciro chamou de trágica a situação ( Foto: Arquivo Diário do Nordeste )
16:26 · 06.04.2018 por Folhapress

O decreto de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a decisão dele de não se entregar à polícia em Curitiba dominaram os ânimos de um encontro de políticos e empresários brasileiros em Harvard, nos Estados Unidos.

Enquanto Ciro Gomes, pré-candidato ao Planalto pelo PDT, e Alexandre Padilha, vice-presidente do PT, falavam, manifestantes a favor e contra Lula, a maioria estudantes, orquestraram protestos na universidade americana.

Dentro do auditório, Padilha foi vaiado ao fazer uma defesa apaixonada de Lula. 

"Mesmo se cometerem a violência de tentar prender um homem inocente como o Lula, mesmo se tentarem cometer a violência de cortar as pernas do Lula, milhões de brasileiros vão caminhar pelo Lula", ele afirmou. "Se  tentarem calar o presidente Lula, milhões de brasileiros vão falar pelo presidente Lula. Não se prendem as ideias", enfatizou.

Na sequência, Ciro chamou de "bobão" um homem na plateia que comemorava a iminente prisão de Lula, pedindo que "guardasse seu fígado, porque estamos discutindo coisas mais altas aqui".

Questionado sobre sua reação à prisão do ex-presidente, Ciro chamou de trágica a situação e lembrou o caso de um manifestante ferido diante do Instituto Lula.

"Espero que não surja um cadáver entre inocentes", disse. "A lei é para todos, mas cumprir a lei não precisa ser com grosseria, descuido e muito menos ferir inocentes", ressaltou.

O pré-candidato disse também que considera arbitrária a resistência de Lula em se entregar, mas que um homem que "fez tanto por tanta gente" merece "mais dignidade".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.