"Dia curioso"

No Rio, Emicida diz que será difícil calar população após prisão de Lula

Discurso foi feito durante uma apresentação

22:41 · 07.04.2018 / atualizado às 22:44 por Folhapress
Emicida
O cantor Emicida se manifestou sobre prisão de Lula ( Foto: Reprodução/Instagram )

O rapper Emicida se manifestou sobre a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na noite deste sábado (7), descrevendo a data como "um dia curioso na história do Brasil".

"O que aconteceu hoje significa muitas coisas, uma delas é que vai ser difícil para caralho calar nóis", disse o rapper durante sua apresentação no Festivália, atração da Rio2C - Rio Creative Conference, no Rio de Janeiro.

Em seu discurso, ele lembrou de quando trabalhou em um ateliê de artesanato durante a infância. "A gente tinha que ouvir piada racista o dia inteiro e fingir que não era com nóis porque a gente precisava daquele dinheiro."

"A primeira vez que houve uma possibilidade real de Lula ser presidente, meu patrão chegou dando risada da Dona Marisa [Letícia], falando que ela ia ter o maior trampo limpando as janelas do Planalto. Minha mãe trampava de limpar janelas", conta.

Dona Jacira, mãe do artista, foi empregada doméstica. Sua história inspirou a faixa de abertura do show, "Boa Esperança", que critica o racismo e compara a favela a uma senzala.

"Eu nunca vou estar do lado de alguém que ri de quem limpa janelas", disse Emicida, sendo aplaudido pelo público. "Morreram de rir do nosso fracasso, vão morrer afogados com as próprias lagrimas."

O festival, que acontece na Cidade das Artes, já havia sido palco de protestos contra a prisão de Lula. Antes do rapper, a banda Francisco, el Hombre projetou no telão os dizeres "há casos em que a sentença já está escrita antes do crime".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.