Não vai mais acontecer

Movimentos anti-Dilma recuam em pedido de renúncia de Temer

Grupo Vem Pra Rua disse que a movimentação, que não vai mais ocorrer, seria contra todos os corruptos e não apenas pela renúncia do atual presidente

14:08 · 19.05.2017 / atualizado às 14:53 por FolhaPress
Movimento brasil livre MBL
MBL e Vem Pra Rua cancelaram movimentação e o segundo afirmou que ação não seria apenas para pedir a renúncia de Temer, mas a saída de todos os corruptos ( Foto: Alex Ferreira / Câmara dos Deputados )

Os movimentos que apoiaram o impeachment de Dilma Rousseff (PT) recuaram na posição de convocar manifestações e pedir a renúncia do presidente Michel Temer (PMDB). O MBL (Movimento Brasil Livre) desistiu de pedir a renúncia de Temer, afirmou à reportagem seu coordenador Kim Kataguiri. "Há motivo de sobra para investigar Temer nos áudios, mas eles são inconclusivos", afirmou. "Vamos suspender a posição pró-renúncia até que surjam novas informações". Já o Vem Pra Rua suspendeu a convocação que havia feito para atos no domingo (21), alegando motivos de segurança. O movimento promete nova data de manifestação, ainda não marcada.

O tema principal, afirmou Rogério Chequer, coordenador do movimento, na quinta-feira (18), seria "fora todos os corruptos", não apenas pela renúncia de Temer. Segundo comunicado enviado pelo grupo nesta sexta (19), "o adiamento não significa recuo; ao contrário, nada abala nossa convicção de que todos, sem exceção, e de que partidos forem, devem ser punidos pelos crimes cometidos".

"A decisão foi tomada já que em muitas cidades não houve tempo hábil para planejar a segurança ideal, como sempre aconteceu, mesmo naquelas em que havia mais de um milhão de pessoas nas ruas", diz o texto.

LEIA AINDA:
. Janot acusa Temer de corrupção, obstrução de Justiça e organização criminosa
. Rodrigo Maia já discute com técnicos legislativos sobre eleições indiretas
. PF interceptou conversas telefônicas de Temer e de Gilmar Mendes
. Leia íntegra do pedido de Janot (PGR) e decisão de Fachin (STF)
. Não há ilegalidade em áudios gravados por Joesley, diz Fachin
. Delator diz que Aécio recebeu R$ 80 milhões para campanha e 'continuou pedindo mais'
. Temer e Aécio agiam para impedir avanço da Lava Jato, diz inquérito
. Delação JBS: "Temer quer que eu retire a ação" do TSE, diz Aécio em áudio gravado

Em São Paulo a decisão foi tomada após reunião de movimentos com a polícia militar, que teria orientado a suspensão dos atos por causa da Virada Cultural, que ocorre no mesmo final de semana, dizem coordenadores.

Após a liberação dos áudios, a coordenadora do Nas Ruas, Carla Zambelli, publicou vídeo nas redes sociais afirmando que é hora de "assentar a poeira, colocar o pé no chão e ver o que está acontecendo". O movimento não participou da convocação de atos. "O que se pintou ali atrás não foi muito bem o que se viu hoje", afirmou.

O Movimento Liberal Acorda Brasil, que também participou das manifestações anti-Dilma de 2016, porém, manteve a posição pedindo a saída de Michel Temer. Nas redes sociais, os coordenadores afirmam que "vai ficar chato se continuarem a dizer que a gravação não é nada demais" e "é tão difícil assim entender que ela é só um pequeno extrato de MUITO mais?". O grupo, porém, não fez convocação para atos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.