Guarujá

'Me senti refém no meu próprio condomínio', diz moradora após ocupação de tríplex

De acordo com a mulher, cerca de 40 manifestantes invadiram o prédio quebrando um dos portões na hora que ela saía para trabalhar

13:30 · 16.04.2018 / atualizado às 13:40 por Estadão Conteúdo
'Me senti refém no meu próprio condomínio', diz moradora após ocupação de tríplex
De acordo com um dos coordenadores do MTST, a ocupação foi pacífica e planejada ( Foto: Reprodução / ABR )

A ocupação do triplex do edifício Solaris, atribuído ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava-Jato, trouxe tensão e medo aos moradores do condomínio na manhã desta segunda-feira (16). É o que afirma a moradora Renata Simões, que vive em um dos apartamentos no local.

Renata conta que por volta das 8h30, cerca de 40 manifestantes invadiram o prédio, que fica localizado no Guarujá (SP), quebrando um dos portões na hora que saía para trabalhar. Ela afirma que viu repórteres e manifestantes adentrando o prédio arrombando o portão da garagem e pulando as grades de proteção do edifício.

"Tirei foto de todos eles e estou indo para a delegacia denunciar. Estou com medo dentro da minha própria casa. Eles não estão no apartamento do Lula, eles invadiram um condomínio que é de várias pessoas. Têm de sair daqui algemados", declarou Renata enquanto deixava o prédio acompanhada por policiais com destino à delegacia.

A ocupação do triplex foi uma forma de manifesto do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Movimento o Povo Sem Medo e do PSOL. De acordo com um dos coordenadores do MTST Josué Rocha, a ação foi pacífica e planejada, mas ele não comentou como foi feita a entrada dos manifestantes no condomínio.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.