Comoção em MG

Mãe chora morte de uma filha e internação de outros dois

Luana Ferreira de Jesus, mãe de Ana Clara, de 4 anos, só conseguia chorar; Vigia foi o responsável pelo ataque às crianças

09:26 · 07.10.2017 / atualizado às 10:35 por Estadão Conteudo
janaúba
As crianças que morreram tinham quatro anos de idade ( Foto: River Ramos Madureira / Arquivo Pessoal )

“Você me deu os dois, por que agora me tira um?”. Esses eram os gritos que se ouviam de uma mãe no cemitério de Janaúba, onde Ana Clara Ferreira Silva, de 4 anos, foi enterrada na manhã de sexta-feira (6). Com as mãos coladas ao caixão da filha, a desempregada Luana Ferreira de Jesus só conseguia chorar e pedir: “Por favor, não levem minha filha embora!”. Ao lado dela, o marido chorava em silêncio.

Desde que era feto, Ana Clara teve a companhia do irmão gêmeo Victor Hugo. Na quinta-feira do ataque à creche Gente Inocente, no entanto, os dois não estavam juntos. Com sintomas de conjuntivite, o menino tinha ficado em casa, onde recebeu a notícia da morte da irmã, carbonizada. “Poderia ter acontecido com os dois”, disse o avô materno Antônio Ferreira, de 55 anos. 

Com Ana Clara, o casal de desempregados tem, ao todo, seis filhos. Dois deles, um de 3 e outro de 6 anos, também estavam na unidade na hora em que o vigilante surpreendeu crianças e professores e ateou fogo no lugar. Ambos inalaram fumaça e precisaram ser internados por intoxicação na Santa Casa de Montes Claros, mas o quadro é estável, segundo parentes.

“A gente fica sem chão, pede a Deus que não aconteça, mas chega uma hora que tem de desapegar também e seguir a vida”, disse o avô. “Ana Clara era uma menina excelente: divertida, brincalhona inteligente. Foi a única que não deu trabalho para ir para a escola.”

Com queimaduras no rosto e espalhadas pelo corpo, a menina foi velada em casa, que fica em uma área de terra batida, a poucos metros de distância da creche. De lá, o corpo da criança seguiu em cortejo, sendo acompanhado por um ônibus escolar com mais de 30 pessoas.

Leia mais -> Número de mortos em incêndio chega a nove

Segundo familiares, Victor Hugo, que não foi ao cemitério, manteve-se quieto, sem falar, ao lado do caixão. “Ele só ficou quietinho, sem sair do lugar”, disse o avô paterno Jovecino da Silva, de 51 anos.

Sorrindo. Também perto da creche, mora Jelikele Soares, de 29 anos, mãe de Ruan Miguel Soares Silva, de 4 anos, um dos que nem sequer conseguiram ser socorridos. “Reconheci meu filho pelos dentes. Ele era muito feliz, morreu sorrindo”, disse a mãe, aos prantos.

O menino era conhecido na vizinhança por sempre estar brincando na rua, onde gostava de jogar futebol e andar de bicicleta. Para dormir, fazia o ombro direito de Jelikele como travesseiro. “Ele só conseguia dormir comigo, abraçado.”

Ao saber do ataque, a mãe correu até a escola, mas não teve notícias e foi barrada pelo cerco policial que já havia se formado. “Me desesperei”, afirmou. “Se o homem quisesse morrer, que morresse. Mas que deixasse os bichinhos em paz.” Ruan Miguel era filho único de Jelikele. A mãe agora decidiu presentear com uma foto dele todas as pessoas que vão vê-la. “Não quero olhar para os cantos da casa e ficar lembrando.”

Vigia demonstrava transtorno

Damião Soares dos Santos, responsável pelo ataque às crianças, sofria de transtorno persecutório, segundo a Polícia Civil. O Ministério Público (MP) de Minas vai apurar por que um funcionário com problemas mentais trabalhava na educação infantil. 

"Ele começou a demonstrar transtornos em 2014, quando foi ao MP denunciar que a mãe estava envenenando a comida dele, mas era mentira", diz Renato Henriques, chefe do Departamento da Polícia Civil de Montes Claros. Na época, Santos também disse que a mãe havia assassinado o pai com veneno. No dia do ataque, se completaram três anos da morte do pai do vigia.

Não foi achado até agora, diz a polícia, registro de consulta médica ou receita que comprove uso de remédio. Ao longo da semana, parentes do vigia relataram que ele repetiu que daria um presente à família e que morreria. Para vizinhos da creche, ele parecia normal. "Não mostrava isso para a sociedade."

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.