Após Ajustes

Lewandowski homologa delação premiada de marqueteiro do MDB

O publicitário Renato Pereira afirmou ter recebido dinheiro vivo de caixa dois nas campanhas de Sérgio Cabral, Eduardo Paes, Luiz Fernando Pezão e de Marta Suplicy

Lewandowski pediu à PGR que fizesse algumas alterações no acordo estabelecido anteriormente ( Foto: Rosinei Coutinho/ SCO/ STF )
17:23 · 13.03.2018 por Folhapress

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski homologou, nesta terça-feira (13), o acordo de delação premiada do publicitário Renato Pereira, que trabalhou para o MDB. O acordo havia sido enviado ao Supremo no ano passado, mas Lewandowski pediu à Procuradoria-Geral da República (PGR) alguns ajustes.

Pereira disse que recebeu dinheiro vivo de caixa dois nas campanhas do ex-governador Sérgio Cabral, do ex-prefeito Eduardo Paes e do atual governador Luiz Fernando Pezão, todas no Rio, e da senadora Marta Suplicy, em São Paulo. As disputas eleitorais delatadas vão de 2010 a 2016. O acordo tinha sido firmado com a equipe do ex-procurador-geral Rodrigo Janot.

O marqueteiro imputou ainda irregularidades ao presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf. Ele disse que assumiu a conta de publicidade do sistema Fiesp/Sesi/Senai em 2015 em uma licitação direcionada para sua agência, a convite de Skaf. Recebendo pela Fiesp, o delator disse que foi incumbido de fazer pesquisas e ações para promover a imagem de Skaf, que, segundo ele, queria ser candidato em 2018.

Todos os citados na delação, procurados pela reportagem à época da divulgação do teor dos relatos, negaram ter participado de crimes ou irregularidades.

Em novembro, ao devolver o acordo para a PGR sem homologá-lo, Lewandowski considerou que o colaborador teve benefícios demais. "Inicialmente observo que não é lícito às partes contratantes [PGR e delator] fixar, em substituição ao poder judiciário e de forma antecipada, a pena privativa de liberdade e o perdão de crimes ao colaborador", escreveu o ministro.

"O Poder Judiciário detém, por força de disposição constitucional, o monopólio da jurisdição, sendo certo que, somente por meio da sentença penal condenatória proferida por magistrado competente afigura-se possível fixar ou perdoar pena privativa de liberdade relativamente a qualquer jurisdicionado", afirmou.

Na ocasião, o ministro também retirou o sigilo do acordo, sob a justificativa de que o seu teor vazara à imprensa, mas a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu para restabelecer o segredo a fim de proteger o delator e sua família de eventuais ameaças.

Durante uma licença médica de Lewandowski, o ministro Dias Toffoli analisou o pedido, que tinha caráter de urgência, e restabeleceu o sigilo sobre o acordo do marqueteiro. Por essa razão, os ajustes feitos no acordo pela PGR estão indisponíveis para consulta.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.