segurança

Governo liberará R$ 5 milhões para plano de fortalecimento de Polícias Militares

A verba será destinada à capacitação e aprimoramento das ações policiais em todo o País

12:56 · 02.05.2018 / atualizado às 13:03 por Estadão Conteúdo
Governo liberará R$ 5 milhões para plano de fortalecimento de Polícias Militares
Para o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, a medida representa "a elevação do patamar de combate ao crime organizado e o fortalecimento da segurança em todo o País" ( Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil )
O governo vai liberar R$ 5 milhões para o Plano Nacional de Apoio e Fortalecimento das Polícias Militares na capacitação e aprimoramento das ações policiais, assinado na manhã desta quarta-feira (2), pelos ministros da Segurança Pública, Raul Jungmann, e da Defesa, Sílvio e Luna. Com o Plano, o Exército poderá "assessorar" as polícias militares nos Estados, além de disponibilizar materiais de proteção, como capacetes e coletes, e instalações para ministrar os cursos. 
 
Segundo Jungmann, o Plano "coloca em linha o Exército brasileiro os seus recursos, o seu pessoal, a sua expertise, o seu equipamento e as suas instalações com as polícias militares do Brasil". 
 
"Ao lado da fiscalização que o Exército já fazia, vai levar também conhecimento e formação. Esse Plano propicia que você possa levar o Exército como assessor, como orientador, levando toda a sua expertise para as polícias militares para que atuem com mais inteligência", disse Jungmann após a cerimônia.
 
Para o ministro da Segurança, a medida representa "a elevação do patamar de combate ao crime organizado e o fortalecimento da segurança em todo o País". Além disso, considera que o convênio permitirá que se avalie a situação das policias militares e corpos de bombeiros. "Vamos poder ter um ranking do desempenho das nossas polícias e a partir daí vamos poder discutir porque algumas estão melhores e outras nem tanto e como podemos ajudar."
 
O ministro Sílvio e Luna admitiu que o valor de R$ 5 milhões é baixo, mas ponderou que "é suficiente" para começar os trabalhos. "Uma quantidade grande de ações não implica custos, então é um custo muito baixo para a parte de gestão, de organização de estruturas, levantamento de demandas... Estamos tratando agora do Brasil inteiro, de todos os Estados da federação. O recurso, para início, é suficiente, pois nós temos que dar o primeiro passo", declarou.
 
Sílvio e Luna disse que, na etapa inicial, será feito um "diagnóstico" com as polícias militares de todos os estados, que serão consultadas sobre suas necessidades. Em alguns casos, serão feitas visitas presenciais nos locais. "De alguma forma, é o que está acontecendo com a intervenção no Rio de Janeiro, está se cuidando da gestão e de organizar o que precisa ser organizado e passando também pela motivação do pessoal." 
 
Desde fevereiro, está em vigor a intervenção federal na segurança pública do Rio, comandada pelo general Braga Netto.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.