Medida Cautelar

Defesa de ex-vereador do PT tenta revogar pedido de prisão por agressão em frente ao Instituto Lula

Maninho do PT e seu filho são acusados de agredir o empresário Carlos Alberto Bettoni, no dia 5 de abril, em frente ao Instituto Lula, por ele ter gritado ofensas ao PT

Maninho do PT e seu filho denunciados pelo promotor Luiz Eduardo Levit Zilberman por tentativa de homicídio por motivo torpe e cruel ( Foto: Divulgação )
17:49 · 14.05.2018 / atualizado às 17:51 por Folhapress
Um dos denunciados empurrou a vítima que bateu a cabeça em um caminhão que passava pelo local. Ele foi encaminhado a um hospital da região e teve alta no final de abril ( Foto: AFP )

A defesa do ex-vereador de Diadema Manoel Eduardo Marinho, mais conhecido como Maninho do PT, e de seu filho Leandro Eduardo Marinho entrou com um pedido de habeas corpus para tentar revogar a prisão decretada pela Justiça de São Paulo na última sexta-feira (11). Segundo a advogada Patricia Cavalcanti, a defesa aguarda o julgamento do pedido. As informações são da Agência Brasil.

Maninho do PT e seu filho tiveram a prisão decretada após terem agredido o manifestante e empresário Carlos Alberto Bettoni, no dia 5 de abril, em frente ao Instituto Lula, na região do Ipiranga (SP). Eles foram denunciados pelo promotor Luiz Eduardo Levit Zilberman por tentativa de homicídio por motivo torpe e cruel. O processo corre sob segredo de Justiça.

Para Patrícia, a ordem de prisão determinada pela Justiça de São Paulo "está fora de todo o contexto do processo bem como da situação fática". Já Daniel Bialski, advogado do empresário, disse que "a prisão cautelar decretada, além de muito bem fundamentada, atende os anseios da sociedade ordeira e traz segurança para que as testemunhas e vítima possam ter tranquilidade e para depor em juízo e aguardar o julgamento pelo tribunal popular".

O caso

Bettoni foi agredido em frente ao Instituto Lula, no dia 5 de abril, após gritar ofensas ao PT durante entrevista do senador Lindbergh Farias (RJ) à imprensa. Um dos denunciados empurrou a vítima que bateu a cabeça em um caminhão que passava pelo local. Na ocasião, manifestantes estavam reunidos em frente ao instituto por causa da notícia de que o juiz Sérgio Moro tinha expedido ordem de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Bettoni foi internado no hospital São Camilo, onde permaneceu até o final de abril.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.