Candeeiro, o último cangaceiro de Lampião, morre aos 97 anos

00:00 · 25.07.2013

Morreu nesta quarta-feira (24), aos 97 anos, Manuel Dantas Loyola, mais conhecido como Candeeiro, o último cangaceiro de Lampião. Ele estava internado desde a semana passada no Hospital Memorial da cidade de Arcoverde, em Pernambuco, devido a um derrame.

O último cangaceiro de Lampião foi entrevistado pelo Diário do Nordeste em 2011. FOTO: CID BARBOSA

Candeeiro estava com Lampião no dia 27 de julho de 1938, quando o bando do rei do cangaço foi dizimado no sertão de Sergipe. Três dias antes ele teria dito a Virgulino Ferreira: 'Capitão, isso aqui não é lugar seguro para a gente ficar'. Quem relatou o ocorrido foi o próprio Manuel em entrevista ao Diário do Nordeste, em 2011, para o especial Retrato Sertanejo / Identidade.

Seu Né, como ficou conhecido após deixar o cangaço, escapou da morte mas teve o braço direito dilacerado e precisou de duas cirurgias para reconstituí-lo. 'Quando levei o tiro, talvez pelo susto, não senti muita dor. Mas, quando olhei os ossos em banda, bateu a maior tristeza desse mundo', relatou na entrevista de 2011.

Quando jovem, Manuel trabalhava em Alagoas para um fazendeiro que dava asilo a bandidos. Quando a polícia descobriu, ele fugiu para o Ceará para não ser preso, em 1937. Foi quando conheceu o cangaceiro Jararaca e, em seguida, Lampião.

Natural de Buíque, município a 258 quilômetros do Recife, Manuel Dantas era um comerciante aposentado, casado com com dona Lindinalva e pai de quatro filhos.


© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.