Incêndio em SP

Buscas por cinco desaparecidos chegam ao 6º dia em São Paulo

Já forma tiradas do local cerca de 10 toneladas de escombros e segundo o Corpo de Bombeiros, trabalham no local 49 homens divididos em dois grupos, um de busca e resgate e outra no resfriamento da estrutura

15:08 · 06.05.2018 por FolhaPress
prédio em São Paulo
De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo o incêndio foi causado por um curto-circuito em uma tomada de um cômodo no quinto andar. ( Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil )

A partir desta semana, 178 famílias atingidas pelo desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo Paissandu, poderão sacar o auxílio-moradia, informou, por meio de nota, a prefeitura de São Paulo.

As famílias devem assinar um termo de adesão. De acordo com o governo municipal, 97 eram moradores do prédio e 81 pessoas serão beneficiadas porque tiveram os imóveis interditados. Hoje (6), o trabalho de busca por cinco desaparecidos nos escombros completa seis dias. As informações são da Agência Brasil.

Cerca de 10 toneladas de escombros já foram retiradas, mas ainda há muito entulho. De acordo com o tenente André Elias, porta-voz do Corpo de Bombeiros, 49 homens trabalham no local neste momento. São duas frentes de atuação: uma equipe de busca e resgate em estruturas colapsadas e outra fazendo rescaldo e resfriamento da estrutura. Cinco pessoas ainda estão desaparecidas: um casal e uma mãe com seus dois filhos gêmeos.

Elias informou que a todo momento o trabalho das máquinas é acompanhado pela equipe de resgate e, caso seja identificado alguma evidência dos desaparecidos, é iniciada a busca manual. Além de duas retroescavadeiras, estão sendo utilizados cachorros na operação. Ele destacou ainda que a estratégia, por enquanto, permanece a mesma, mas pode ser reavaliada.

Acampamento

No Largo Paissandu, muitas famílias continuam acampadas a espera do auxílio-moradia que deve ser oferecido pela prefeitura. "A gente recebe muita solidariedade aqui. Não tem o que dizer. Comida não falta, mas a gente quer uma cobertura, né? Um lugar pra se abrigar. Estamos na promessa de uma coisa boa", disse Neuza Souza, 54 anos, que estava desempregada e por isso precisou morar na ocupação. Ela contou que ouviu explosões antes e logo saiu do prédio com o filho de 15 anos. "Eu ia pegar os meus documentos, mas ele não deixou. Ainda bem, né?", relembrou.

A prefeitura informou que em março deste ano 171 famílias ocupantes do edifício haviam sido cadastradas. Um abrigo emergencial foi montado embaixo do Viaduto Pedroso, no centro, que funciona das 9h às 16h para acolhimento dos desabrigados. "A gente vai lá, toma um banho. Isso que a gente está fazendo, porque se a gente sai daqui [Largo Paissandu] vão esquecer da gente", explicou Neuza, que antes de ficar desempregada trabalhava como auxiliar de limpeza.

Desaparecidos

Na manhã desse sábado (5), o corpo de Ricardo Oliveira Galvão Pinheiro, 39 anos, foi liberado pelo Instituto Médico Legal para sepultamento. Ele foi encontrado sob os escombros do desabamento na sexta-feira (4). Ricardo estava sendo resgatado pelos bombeiros, quando o prédio veio abaixo. A identificação do corpo foi possível após realização de exame com as impressões digitais, segundo a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

LEIA MAIS

> Bombeiros concentram busca por vítimas na parte de trás do prédio que desabou

> 162 movimentos disputam lugar na fila de moradia popular da capital paulista

De acordo com o órgão, o incêndio foi causado por um curto-circuito em uma tomada de um cômodo no quinto andar. O espaço era ocupado por uma família de quatro pessoas. Segundo o secretário de Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves Barbosa Filho, o pai e uma criança ficaram feridos com queimaduras graves.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.