investigado por corrupção

Beto Richa é chefe da organização, afirma MPE

A decisão que pôs o ex-governador em prisão temporária tem como base delações e áudios em que o tucano é flagrado questionando suposto atraso em "pagamento" destinado a doleiro

09:56 · 13.09.2018 / atualizado às 10:06 por Estadão Conteúdo
Beto Richa é chefe da organização, afirma MPE
Nesta quarta-feira (12), a Justiça negou o pedido de liberdade de Beto Richa ( Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil )

Os promotores do Ministério Público do Paraná fundamentaram o pedido de prisão do ex-governador Beto Richa (PSDB) dizendo que ele é o "líder da organização criminosa investigada e principal destinatário das propinas pagas pelos empresários" detidos na Operação Radiopatrulha.

A decisão do juiz Fernando Fischer, da 13ª Vara do Paraná, que pôs o ex-governador em prisão temporária, tem como base delações e áudios em que o tucano é flagrado questionando suposto atraso de "pagamento" ao doleiro Tony Garcia, delator da Operação Lava-Jato. Richa e outros 16 acusados foram alvo nesta terça-feira (11) de duas operações - a do MPE e uma da Polícia Federal. Na quarta-feira (12), a Justiça negou seu pedido de liberdade.

Em áudio de escuta ambiental, Tony questiona Richa se tem falado com o empresário Celso Frare, um dos suspeitos de integrar o esquema de fraude à licitação. "Ele não acertou o negócio aí", diz o doleiro a Richa. O tucano responde: "Ah! Ele me agradeceu, já entrou um tico-tico lá que 'tava' atrasado, obrigado". 

Em outro trecho, Richa menciona um suposto repasse. "Ele sabe que tá difícil sair, já pagaram uma parte… Bão…". A defesa do ex-governador alega inocência e diz que ainda não teve acesso à investigação.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.