REPERCUSSÃO REVISTA ÉPOCA

Após acusação, Temer vai à Justiça e processa Joesley por calúnia e difamação

Defesa do presidente entra com queixa-crime contra o dono do grupo JBS. Em entrevista à revista Época, Joesley disse que Temer chefia "a maior e mais perigosa organização criminosa do Brasil"

"Acabamos com os favores que privilegiavam apenas algumas poucas empresas. Cortamos as práticas que permitiam a criminosos crescer à sombra dos ilícitos e do dinheiro público jorrado sem limites e com juros camaradas. Muita gente não gostou disso", diz Temer no vídeo. ( Arquivo )
16:23 · 19.06.2017 / atualizado às 16:26 por FolhaPress

A defesa do presidente Michel Temer protocolou na Justiça nesta segunda-feira (19) uma queixa crime por calúnia, injúria e difamação contra o dono do grupo J&S e delator da Lava-Jato, Joesley Batista, após declarações à revista Época, de que Temer chefia "a maior e mais perigosa organização criminosa do Brasil".

Na reportagem, o empresário também afirma que o presidente não fazia "cerimônia" ao pedir dinheiro para o PMDB. Nesta segunda, Michel Temer publicou vídeos as redes sociais informando que: "criminosos não sairão impunes e pagarão o que devem".

Resposta ao STF e PGR...

Sem mencionar o momento de tensão com a PGR (Procuradoria-Geral da República) e com o STF (Supremo Tribunal Federal), Temer também defendeu a independência dos Poderes e disse que não pratica "retaliações".

Como a Folha de S.Paulo mostrou no domingo (18), a mensagem de Temer foi direcionada ao empresário Joesley Batista, do grupo J&F, embora ele não seja diretamente citado. "Acabamos com os favores que privilegiavam apenas algumas poucas empresas. Cortamos as práticas que permitiam a criminosos crescer à sombra dos ilícitos e do dinheiro público jorrado sem limites e com juros camaradas. Muita gente não gostou disso", diz Temer no vídeo.

 

O presidente prossegue: "Já está claro o roteiro que criaram para justificar seus crimes. Apontam o dedo para outros tentando fugir da punição. Aviso aos criminosos que não sairão impunes. Pagarão o que devem e serão responsabilizados por seus ilícitos", afirmou Michel Temer na mensagem divulgada pouco depois de embarcar para viagem oficial por Rússia e Noruega.

O vídeo é mais um ponto da estratégia do Palácio do Planalto de desacreditar as declarações de Joesley Batista, que gravou conversa com o presidente e, em entrevista à revista "Época" divulgada na sexta-feira (16), afirma que o peemedebista é o "chefe" de uma organização criminosa.

RETALIAÇÃO

Às vésperas de ser denunciado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e em momento de crise após ser acusado de mandar investigar o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luiz Edson Fachin, relator da Lava-Jato, Temer defendeu a independência das instituições e disse não praticar "retaliações".

"As instituições brasileiras são fortes, fortíssimas. Conquista de todos nós. Fortes porque se sustentam na harmonia e na independência dos Poderes tal como foi escrito na Constituição de 1988. É preciso mantê-las para que se realize o desejo de todos: um Brasil pacificado, justo e próspero", afirmou.

"Vocês sabem que não pratico retaliações. Por tradição e formação, acredito na Justiça. Sempre respeitei a independência dos Poderes. É assim que continuarei agindo", completou o presidente. No vídeo, Temer também fala do que fará nos quatro dias de viagem pela Europa, faz um balanço de seu governo, elencando ganhos econômicos e ações como a liberação do FGTS de contas inativas e defende as reformas trabalhista, previdenciária e política.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.