Julgamento

Aécio afirma que houve ilegalidades no processo da PGR

O senador reclamou que não teria havido investigação no processo

20:21 · 16.04.2018 por Estadão Conteúdo
Aécio
O senador justificou a coletiva de imprensa, convocada na véspera do julgamento por sua equipe, como uma forma de se contrapor com suas "armas" ao "tsunami" de informações que o atingiram ( Foto: AFP )
Na véspera do julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF), o senador Aécio Neves (PSDB-MG) voltou a procurar a imprensa para tentar se defender da denúncia contra ele. Em conversa com jornalistas, nesta segunda-feira, 16, Aécio questionou "ilegalidades" no processo, disse que a Procuradoria-Geral da República (PGR) "falseou" informações e que "acredita na dimensão" dos ministros do STF, que podem torná-lo réu nesta terça-feira, 17. "Decisão do STF se cumpre", disse.
 
Com a expectativa de que a Primeira Turma do STF vai aceitar a denúncia nesta terça, Aécio declarou que "ninguém transformado em réu é considerado culpado a priori". "Principalmente com as fragilidades dessas acusações, seja em relação à obstrução de Justiça ou em relação a esse empréstimo que não envolveu dinheiro público. Qualquer investigação vai mostrar que isso foi uma construção envolvendo Joesley e membros do Ministério Público", reforçou.
 
Ele reclamou que não teria havido investigação no processo e também criticou a celeridade da elaboração da denúncia pela PGR, o que teria "impedido que conferências sobre os fatos fossem feitas". "O lamentável é que a ânsia de punir impediu aquilo que é normal, o inquérito. Se tivesse havido investigações, minhas alegações teriam sido comprovadas." Ele disse ainda que "se a Justiça falta hoje a um, amanhã faltará a outros".
 
O senador justificou a coletiva de imprensa, convocada na véspera do julgamento por sua equipe, como uma forma de se contrapor com suas "armas" ao "tsunami" de informações que o atingiram. "Ninguém foi lesado, a não ser eu e minha família." 
 
Aécio afirmou ainda que suas tratativas com Joesley Batista, dono da JBS, sobre um empréstimo de R$ 2 milhões ocorreram entre pessoas "privadas" e que não envolveram dinheiro público. "Qual empresa pública foi prejudicada (por conversas com Joesley)?", questionou Aécio. 
 
O parlamentar disse que Joesley Batista, ao gravá-lo, tinha uma "encomenda clara" e recebeu benefícios por ela (com o acordo de delação premiada). Também disse que, em trecho de outra conversa os irmãos Batista afirmaram anteriormente que o senador nunca "fez nada" por eles. 
 
Assim como já havia afirmado em artigo publicado na Folha de S. Paulo, nesta segunda-feira, 16, Aécio disse que cometeu um erro, mas não cometeu qualquer irregularidade. "Não serão 20 minutos de uma conversa infeliz que vão definir minha história", declarou na coletiva de imprensa.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.