Audiência

Ministro da Fazenda: controle da Eletrobras será pulverizado

Eduardo Guardia defendeu a aprovação do projeto de privatização da Eletrobras

00:00 · 09.05.2018 / atualizado às 00:28
Image-0-Artigo-2397751-1
Ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse, ontem, que o Brasil precisa insistir no caminho da consolidação fiscal e das reformas estruturais ( FOTO: AG. BRASIL )

Brasília. O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, defendeu, em audiência pública na Câmara dos Deputados, ontem, a aprovação do projeto de privatização da Eletrobras (PL 9463/18).

O governo encaminhou o PL ao Congresso Nacional no fim de janeiro. Pela proposta apresentada, a privatização ocorrerá por meio do lançamento de novas ações no mercado até que esse número transforme a União em acionista minoritário.

Atualmente, a União detêm 51% das ações ordinárias (com direito a voto) e outros 40,99% do capital total da companhia.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e seu braço de investimentos, o BNDESPar, controlam, juntos, outros 18,72% do capital da Eletrobras.

De acordo com dados oficiais, o valor de mercado da Eletrobras está avaliado atualmente em R$ 27 bilhões, enquanto seu valor patrimonial está fixado em R$ 46 bilhões.

Segundo Guardia, "não é uma proposta de venda, mas sim de capitalização" da companhia. "Queremos uma Eletrobras forte. A gente precisa capitalizar a empresa para que ela seja capaz de desempenhar o seu papel, para competir nesse mercado que é competitivo. Precisamos de recursos que o acionista controlador (União) não tem", destacou.

Ele mencionou a questão ao falar sobre o alto endividamento da empresa, que controla cerca de 230 usinas hidrelétricas, 70 mil quilômetros de linhas de transmissão e responde por um terço da geração de energia elétrica do país.

Modelo

Para o ministro, o modelo de desestatização proposto pelo governo preservará a autonomia da Eletrobras, por meio da "democratização" de seu capital. "No final desse processo, não terá um dono privado com controle da empresa. No jargão do mercado, vamos transformar a Eletrobras numa corporação, o mesmo modelo da Embraer e da Vale, que passaram a ter um controle difuso", explicou.

De acordo com Guardia, o projeto de lei prevê uma regra que impede um comprador de adquirir um valor superior a 10% das ações da Eletrobras.

Além disso, se a proposta for aprovada, a União manterá uma ação golden share, que dá ao governo poder de veto sobre decisões estratégicas da companhia, como mudança de sede, e terá o direito de indicar até dois representantes no conselho de administração, enquanto os demais sócios só teriam direito a uma indicação no colegiado.

Ainda segundo Eduardo Guardia, o valor de R$ 12 bilhões que será pago para a União com a privatização da Eletrobras não se refere à venda de ações, mas ao pagamento pela renovação da outorga de exploração hidrelétrica da companhia por mais 30 anos. "O primeiro movimento é a capitalização da empresa, em operação na Bolsa de Valores, transparente, seguindo as melhores práticas (...). Não sabemos, nesse momento, qual será o valor dessa capitalização".

O ministro garantiu ainda que parte dos recursos arrecadados será revertido para a Conta de Desempenho Energético (CDE), encargo cobrado do consumidor, para frear a subida das tarifas nas contas de luz após a desestatização da empresa. "O aumento de preço, no pior cenário, será inferior à inflação", assegurou, citando projeções da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Críticas da oposição

Após a apresentação de Guardia, um grupo de manifestantes que acompanhava a audiência, formado por integrantes de movimentos sociais e trabalhadores do setor elétrico, vaiou o ministro e gritou palavras de ordem contra a privatização da Eletrobras. Irritado com as intervenções, o presidente da comissão especial, deputado Hugo Motta (PRB/PB), determinou à Polícia Legislativa que retirasse o grupo do plenário, suspendendo a audiência por alguns minutos.

Para oposicionistas, a proposta de desestatização da Eletrobras pode violar a soberania energética do Brasil.

"Em todos os países, militarmente mais fortes, quem controla o sistema de energia hidrológica é o estado. Nos Estados Unidos, só 27% está nas mãos de corporações privadas", criticou o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP).

"O presidente da Eletrobras está desmontando a empresa pra vender a preço de banana. É legítimo o governo privatizar a Eletrobras em final de mandato?", questionou o deputado Leônidas Cristino (PDT-CE).

Para o ministro, o Brasil precisa insistir no caminho da consolidação fiscal e das reformas estruturais. "É isso que vai dar segurança para o Brasil continuar crescendo", disse Guardia.

Relatório

O relator do projeto de lei da privatização da Eletrobras, deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), vai disponibilizar seu relatório na tarde de hoje (9) e, de acordo com o presidente da comissão especial que analisa a matéria, Hugo Motta (PRB/PB), será dado prazo de cinco sessões plenárias para apresentação de emendas. A previsão é que o projeto vá a votação, na comissão, na última semana de maio.

"O governo queria votar no começo de maio e a oposição, na primeira quinzena de junho, então acho que ficou um prazo equilibrado", avaliou.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.