"uma forma de golpe"

Marina e Alckmin rebatem Mourão

00:00 · 15.09.2018
Image-0-Artigo-2453474-1
Para Marina Silva, proposta de vice de Bolsonaro de mudar a Constituição é uma "forma de golpe" ( FOTO: AFP )

Taguatinga/Natal. A candidata da Rede, Marina Silva, rebateu na sexta-feira (14) o vice do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão (PRTB), e disse que qualquer mudança na Constituição Federal sem uma assembleia constituinte é "uma forma de golpe".

> 'Demônio do País virou o PT', justifica Haddad 
 
"Qualquer coisa que não seja pelo voto soberano da sociedade elegendo seus constituintes, é querer estabelecer uma constituinte mediante uma forma de golpe", disse Marina.

"Na democracia, a Constituição é mudada legitimamente por representantes eleitos da sociedade", defendeu a candidata.

Na última quinta-feira (13), Mourão defendeu que o País faça um novo texto constitucional para substituir o de 1988, que completa 30 anos.

De acordo com o general, foi a Constituição que deu início à crise pela qual passa o Brasil.

Tucano

Candidato à Presidência da República pelo PSDB, Geraldo Alckmin disse na sexta-feira (14) não ver sentido para que se faça uma nova Constituição, como sugere Mourão (PRTB).

"Isso não tem sentido do ponto de vista jurídico e, de outro lado, é perda de tempo, vamos perder um, dois anos", afirmou o candidato tucano.

O presidenciável disse que são poucas as mudanças constitucionais necessárias e que elas precisam ser feitas já no início do próximo ano.

Hoje, a única forma de se alterar a Constituição é por meio de uma emenda constitucional, que precisa ser aprovada por três quintos do Congresso.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.