Mesmo na prisão

Lula quer gravar vídeos para eleições

00:00 · 14.06.2018

Curitiba. A juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba, analisa pedido apresentado pela defesa do ex-presidente Lula para que ele possa realizar atos de pré-campanha e da Convenção Nacional do PT, marcada para 28 de julho, por meio de videoconferência ou vídeos previamente gravados na sede da Polícia Federal em Curitiba, onde ele está preso desde 7 de abril.

O pedido foi apresentado à Justiça na última sexta pelo advogado Eugênio Aragão, em nome do PT. Lula cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão no caso do tríplex do Guarujá.

Aragão, que foi ministro da Justiça no governo Dilma, afirmou na petição que a execução provisória da pena imposta ao ex-presidente não cassou os direitos políticos e não pode restringir a pré-candidatura.

Já a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para a próxima terça-feira o julgamento da ação penal que apura se a presidente do PT, a senadora Gleisi Hoffmann (PR), cometeu corrupção e lavagem de dinheiro. No mesmo processo, também são réus o marido de Gleisi, Paulo Bernardo, e o empresário Ernesto Kugler.

Carta

Em carta lida durante um Congresso de Prefeitos realizado em Santa Catarina, Lula afirmou que o teto dos gastos aprovado em 2016 por Michel Temer irá "inviabilizar" a gestão não apenas do governo federal, mas também dos municípios.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.