Aponta datafolha

Lula cai; Marina e Ciro avançam

Após ser condenado e preso, petista perde pontos em pesquisa; pré-candidatos da Rede e do PDT herdam votos

00:00 · 16.04.2018 / atualizado às 00:53

São Paulo. A prisão de Lula (PT) foi considerada "justa" pela maioria (54%) dos eleitores consultados na mais recente pesquisa Datafolha, realizada em todo o País e divulgada ontem. Detido neste mês por corrupção e lavagem de dinheiro, o petista sofreu uma diminuição na sua vantagem na corrida presidencial, de 37% (em janeiro) para 31%.

> Petista na cadeia altera jogo eleitoral, dizem analistas

Nos cenários sem Lula no páreo, o Datafolha apontou que a ex-ministra Marina Silva (Rede) e o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), são hoje os principais herdeiros dos votos, antes destinados ao ex-presidente.

Marina comentou, dizendo estar comprometida com debate e não com embate, numa referência clara a Jair Bolsonaro, pré-candidato pelo PSL à Presidência. Ela aparece na pesquisa Datafolha com até 16% das intenções de voto, em cenários que não consideram Lula como candidato, um porcentual equivalente ao de Bolsonaro, que tem 17% das intenções de voto.

Já o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, vibrou com os números, afirmando acreditar que, se Lula não estiver na disputa, boa parte dos votos do líder petista pode migrar para o ex-governador do Ceará. Sobretudo no Nordeste, ressaltou.

No cenário em que Lula não participaria da disputa, Ciro conta com 9% das intenções de voto, empatado com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) e com o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, que se filiou ao PSB. O líder do PSB na Câmara, Julio Delgado (MG), afirmou que o resultado da pesquisa mostra que o lançamento da pré-candidatura de Barbosa seria "irreversível". Além da queda de Lula, os diretores do Datafolha, Mauro Paulino e Alessandro Janoni, destacaram a taxa recorde de votos brancos e nulos: 21%.

'Ficha-suja'

Apesar de o ex-presidente ter sido considerado um "ficha-suja" pelo ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Tarcísio Vieira, a direção nacional do PT voltou a confirmar, ontem, que Lula será seu candidato em outubro, apesar de estar cumprindo pena há 9 dias e do risco de impugnação da candidatura.

Na sexta, o partido tentou impedir, no TSE, a divulgação da pesquisa, por elaborar cenários estatísticos sem Lula, mas o TSE negou seu pedido e argumentos.

Alvo das críticas do PT, o Datafolha quis saber dos entrevistados em quem votariam caso o impedimento da candidatura de Lula seja confirmado no TSE. O ministro do TSE já previu que o caso de Lula deve ser analisado em setembro, após o registro oficial das candidatos em agosto.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.