FHC sugere renúncia de Temer e Aécio

00:00 · 19.05.2017 / atualizado às 01:48

São Paulo. Com Michel Temer (PMDB) e Aécio Neves (PSDB) sob a mira da Lava Jato, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou, ontem, que se os implicados não tiverem "alegações convincentes" para se defender das acusações das quais são alvo "terão o dever moral de facilitar a solução, ainda que com gestos de renúncia".

FHC não cita Aécio ou Temer e fala sempre no plural. Ele publicou texto no início da tarde em suas redes sociais. Na mensagem, cita "indignação e decepção" como sentimentos correntes. "A solução para a grave crise atual deve dar-se no absoluto respeito à Constituição", inicia.

.Tasso assume presidência interina do PSDB

.PSDB racha sobre permanência

.FHC sugere renúncia de Temer e Aécio

.Políticos especulam sobre eventual sucessão

.Fachin manda abrir novo inquérito contra Eunício

.JBS terá de pagar R$ 250 milhões

.Presidente já tem contra si 8 pedidos

.Diálogo entre presidente e empresário é inconclusivo

"É preciso saber com maior exatidão os fatos que afetaram tão profundamente nosso sistema político e causaram tanta indignação e decepção. É preciso dar publicidade às gravações e ao fundamento das acusações".

O ex-presidente afirma que "os atingidos têm o dever de se explicar e oferecer à opinião pública suas versões" e, em seguida, conclui. "Se as alegações de defesa não forem convincentes, e não basta argumentar são necessárias evidências, os implicados terão o dever moral de facilitar a solução, ainda que com gestos de renúncia".

"O país tem pressa. Não para salvar alguém ou estancar investigações. Pressa para ver na pratica medidas econômico-sociais que deem segurança, emprego e tranquilidade aos brasileiros. E pressa, sobretudo, para restabelecer a moralidade nas instituições e na conduta dos homens públicos", diz ele.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.