Visita À ONU

FHC diz que reagiria com tristeza se Aécio fosse preso

Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República, evitou comentar eleição deste ano, dizendo que a sociedade brasileira está muito fragmentada ( Foto: Ag. Estado )
00:00 · 28.04.2018

Nova York. Em visita à sede das Nações Unidas, em Nova York, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que reagiria "com tristeza" à possível prisão do colega tucano Aécio Neves, acusado de receber propina de empresas.

Ele comparou o caso à prisão do ex-presidente Lula, que semanas atrás havia chamado de uma "notícia triste, mas justa". Em relação a Aécio, FHC acrescentou que a "Justiça vai decidir".

Na ONU, ele se reuniria com o secretário-geral, António Guterres, para falar sobre a descriminalização das drogas, afirmando que essa sua bandeira deveria estar no debate eleitoral agora em curso no Brasil, mas não está por receio dos candidatos ao Planalto.

"Não vai entrar no debate. A questão é que você precisa ter uma descriminalização e uma regulamentação e muita campanha educativa. É mais um processo educativo", disse o tucano, em Nova York. "É preciso que a sociedade entenda melhor o tema, e os políticos têm medo de discutir isso".

Horas antes de seu encontro com Guterres, FHC participou de um evento organizado pelo Instituto de Tecnologias para o Trânsito Seguro, em que defendeu o uso de medidas mais inteligentes no combate ao uso de drogas, no caso, regras que não "sejam sentidas como perseguição". "Vivemos um momento de grande ansiedade no mundo e a tecnologia muda as relações entre as pessoas", disse. "O uso de drogas também aumenta em consequência disso tudo". Na saída, FHC não quis entrar em detalhes sobre como vê a corrida eleitoral em curso no Brasil, mas disse que a sociedade está muito fragmentada e que o "futuro do PSDB é como o futuro de todos os outros partidos, vai depender da mensagem para o povo".

Azeredo

Já o ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo (PSDB) afirmou, na sexta, que está aflito e despreparado para ser preso. "Não vou ser falso de dizer que não fico aflito. Fico, fico aflito sim. Mas é uma cobrança descabida. É um excesso o que está se fazendo em cima de mim", disse o ex-governador a uma emissora de rádio. Ao mesmo tempo, afirmou não estar "raciocinando com essa hipótese" (de prisão)".

O tucano foi condenado a 20 anos e 1 mês de prisão por peculato e lavagem de dinheiro no mensalão mineiro. Pela sentença de condenação de Azeredo, o cumprimento da pena deve começar quando esgotada a possibilidade de apelação na Justiça Estadual. A defesa entrou ainda com habeas corpus no STJ.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.