STF

Dodge pede para arquivar inquérito contra Aécio

00:00 · 12.09.2018

Brasília. A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, defendeu, em manifestação encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF) que seja arquivado o inquérito sobre o senador Aécio Neves (PSDB), candidato a deputado federal por Minas Gerais, no qual ele era investigado sob suspeita de ter atuado para maquiar fatos ilícitos dos tucanos para esconder a relação do partido com o Banco Rural na CPMI dos Correios, em 2005.

A CPMI investigava pagamentos feitos pelo PT à base de apoio do então presidente, Lula (PT).

Leia ainda:

> Bolsonaro tem 26% e Ciro 11%, aponta Ibope 
> Denúncia de racismo é rejeitada

À época, Aécio era governador de Minas Gerais. O esquema que o Banco Rural tinha com o PT, de adiar sucessivamente a cobrança do empréstimo, também funcionava com o PSDB de Minas, de acordo com decisões judiciais do Supremo.

Dodge diz que a Polícia Federal não encontrou provas que comprovem as declarações feitas pelo ex-senador petista Delcídio do Amaral em acordo de delação assinado em fevereiro de 2016.

Segundo Delcídio, que presidiu a CPMI, Aécio Neves enviou o então deputado federal, Eduardo Paes (PSDB-RJ), para negociar com ele para que o Banco Rural enviasse dados maquiados dados sobre empréstimos feitos aos tucanos.

Delcídio disse no acordo que chegou a se reunir com Aécio no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, para negociar a exclusão de alguns alvos da CPMI. O ex-senador petista disse também que Aécio e seu vice-governador, Clésio Andrade, ofereceram vantagens ilícitas a ele em troca da maquiagem e da exclusão. O episódio do empréstimo ficou conhecido como mensalão mineiro e resultou na condenação de Eduardo Azeredo, ex-governador de Minas e ex-presidente do PSDB, a 20 anos de prisão.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.