Campanha da fraternidade

CNBB: corrupção é violência também

Dom Sérgio da Rocha disse que a Igreja quer, na próxima eleição, candidatos comprometidos com a paz ( Foto: AFP )
00:00 · 15.02.2018

Brasília. A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou, ontem, a Campanha da Fraternidade 2018, com o tema Fraternidade e Superação da Violência. O documento aponta formas e tipos de violência no Brasil, dando destaque para aquelas praticadas contra os negros, os jovens e as mulheres.

"Os grupos sociais vulneráveis são as maiores vítimas da violência", disse o presidente da entidade, cardeal Sérgio da Rocha. "A Igreja sempre tem alertado sobre a perda de direitos sociais. Não podemos admitir que os mais pobres arquem com sacrifícios maiores. Precisamos de políticas públicas para nos ajudar a superar e a assegurar os direitos fundamentais que as pessoas têm", defendeu o cardeal.

Durante o lançamento da campanha, o presidente da CNBB listou também como prática violenta a corrupção. "A corrupção é uma forma de violência, e ela mata", disse o cardeal. Segundo ele, "ao desviar recursos que deveriam ser usados em favor da população, os políticos acabam promovendo uma outra forma de violência contra o ser humano, a miséria".

"Queremos superar também formas de violência como as representadas pela miséria e pela falta de vida digna", argumentou o religioso. Segundo o cardeal, a Igreja Católica vem atuando no sentido de esclarecer seus seguidores sobre o risco desse tipo de política. "É um equívoco achar que superaremos a violência, recorrendo a mais violência. (Nesse sentido), a igreja está orientando os eleitores, ajudando-os a formar sua consciência e a identificar quais candidatos estão comprometidos com a paz".

Ainda pontuando as formas de violência, ele citou o uso das redes sociais, onde, segundo ele, identifica-se "um triste crescimento da agressividade". O cardeal disse, ainda, que os meios de comunicação "são vitais para a superação da violência".

Sobre a eleição, ele afirmou que a Igreja quer candidatos comprometidos com a justiça social e com a paz.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.