Grande Rio

Chacina após baile funk pode ser ação de milícia

00:00 · 30.04.2018

Rio de Janeiro. Familiares e amigos suspeitam que as vítimas da chacina de Caxias na saída de um baile funk, no sábado, tenham sido mortas em uma ação de milicianos.

Essa é também a principal linha de investigação da polícia e a percepção de representantes de movimentos sociais.

"Como a intervenção federal teve papel forte na Zona Oeste, causou um efeito indireto na Baixada, com um aumento grande da violência e da brutalidade nessas ações. Temos observado um confronto maior entre milicianos e traficantes, como se estivessem disputando a Baixada", observou o dirigente de um movimento social, que pediu para não ser identificado.

Indignação

Os corpos foram enterrados ontem no Cemitério Nossa Senhora das Graças, no Parque Felicidade. Parentes e amigos das vítimas estão indignados.

"Quando minha filha saiu do baile, uma amiga a levou para tomar uma cerveja. No trailer em que estavam, chegaram homens armados que começaram a atirar. A intervenção está gerando revolta, guerra e mortes. É preciso olhar pela educação. Agora, sou um pai sem filha", lamentou Elmo da Silva Maia, pai de Karla.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.