EX-GOLEIRO DO FLAMENGO

Bruno é solto por decisão liminar

00:00 · 25.02.2017
Image-0-Artigo-2207685-1
A defesa do ex-jogador alegou que a manutenção da prisão era uma antecipação da pena ( Foto: TJMG )

Brasília/Contagem. O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar o goleiro Bruno, que defendeu o Flamengo e foi condenado pelo assassinato de Eliza Samudio, com quem teve um filho. O tribunal do júri de Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, lhe aplicou uma pena de 22 anos e três meses, mas não houve confirmação ainda da condenação na segunda instância. O ex-jogador deixou a prisão na noite da última sexta-feira (24), acompanhado da mulher.

"A esta altura, sem culpa formada, o paciente está preso há 6 anos e 7 meses. Nada, absolutamente nada, justifica tal fato. A complexidade do processo pode conduzir ao atraso na apreciação da apelação, mas jamais à projeção, no tempo, de custódia que se tem com a natureza de provisória", decidiu o ministro.

Ao ser condenado na primeira instância, Bruno permaneceu preso em razão da gravidade dos delitos, do temor causado na sociedade e da necessidade de resguardar a paz social. A defesa recorreu, alegando que a prisão era uma antecipação da pena. Marco Aurélio concordou.

O ministro fez algumas ressalvas. O goleiro deve permanecer na residência indicada por ele à Justiça, atender os chamamentos judiciais, informar eventual mudança, e "adotar a postura que se aguarda do cidadão integrado à sociedade".

A modelo Eliza Samudio desapareceu no dia 4 de junho de 2010, quando deixou um hotel no Rio e foi ao sítio do atleta, em Esmeraldas (MG), com o filho do casal. Ela teria sido estrangulada e o corpo, que nunca foi encontrado, esquartejado.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.