na Câmara

Avança debate por CPI da Lava-Jato

00:00 · 21.06.2018
Image-0-Artigo-2416693-1
Deputado Orlando Silva afirmou, contudo, que houve uma distorção no objetivo da Comissão ( Foto: Ag. Brasil )

Brasília. O deputado Orlando Silva (SP), líder do PCdoB na Câmara, disse ontem, que na reunião dos líderes da Casa foi discutida a criação da CPI da Lava-Jato. De acordo com ele, já houve acordo para criar a comissão.

> STF decide que PF pode fazer acordos de delação 

"Houve uma distorção completa do objetivo da CPI proposta. A ideia era investigar um fato determinado de um determinado escritório de advocacia relativo às delações. Fora isso são fake news", disse. Segundo ele, a Mesa Diretora da Câmara vai delimitar o objeto da CPI.

O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) pediu ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que não crie a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar denúncias de irregularidades em delações ocorridas no âmbito da Operação Lava- Jato. Ele quer que o presidente devolva ao autor, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), o requerimento de criação da CPI porque foi incluída matéria estranha ao texto.

Bueno explicou que o texto originalmente apresentado aos parlamentares que subscreveram o pedido de investigação tratava apenas de fatos relacionados a cobrança de propina nas negociações de delação feitas pelo escritório Antônio Figueiredo Bastos. A nova proposta, segundo o parlamentar do PPS, permite que seja ampliado o escopo da investigação, induzindo os signatários ao erro.

Contudo, mesmo após um esforço concentrado, deputados não conseguiram o número necessário de assinaturas para impedir a instalação da CPI.

Eles, no entanto, protocolaram um requerimento na Câmara com esse pedido.

Na justificativa do pedido para tentar impedir a criação da comissão, os deputados afirmam que tomaram a decisão para "evitar qualquer insinuação ou especulação" de que a CPI, que eles haviam apoiado, tivesse o objetivo de "acabar com as investigações no âmbito da Operação Lava Jato".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.