No Brasil

Alfabetização plena atinge 26%

00:02 · 18.07.2012
Brasília. Os resultados da última edição do Indicador do Alfabetismo Funcional (Inaf) 2011-2012 mostram que só 26% da população do Brasil podem ser considerados plenamente alfabetizadas - mesmo patamar de 2001, quando o indicador foi calculado pela primeira vez. A pesquisa é do Instituto Paulo Montenegro e da ONG Ação Educativa.


Segundo dados do Indicador de Alfabetismo Funcional, só 35% das pessoas com ensino médio completo são plenamente alfabetizadas FOTO: JOSÉ LEOMAR

Considera-se plenamente alfabetizada a pessoa que lê textos mais longos, analisa e relaciona suas partes, compara e avalia informações e realiza inferências e sínteses. Os chamados analfabetos funcionais representam 27% e a maior parte (47%) tem nível de alfabetização básico.

Só 35% das pessoas com ensino médio completo podem ser consideradas plenamente alfabetizadas e 38% dos brasileiros com formação superior têm nível insuficiente em leitura e escrita. É o que apontam os resultados do Inaf 2011-2012,

A pesquisa avalia, de forma amostral, por meio de entrevistas e um teste cognitivo, a capacidade de leitura e compreensão de textos e outras tarefas básicas que dependem do domínio da leitura e escrita.

A população é dividida em quatro grupos: analfabetos, alfabetizados em nível rudimentar, alfabetizados em nível básico e plenamente alfabetizados. "Os resultados evidenciam que o Brasil já avançou, principalmente nos níveis iniciais do alfabetismo, mas não conseguiu progressos visíveis no alcance do pleno domínio de habilidades que são hoje condição imprescindível para a inserção plena na sociedade letrada", aponta o relatório.

O estudo também indica que há uma relação entre o nível de alfabetização e a renda das famílias: à medida que a renda cresce, a proporção de alfabetizados em nível rudimentar diminui. Nas famílias com renda superior a cinco mínimos, 52% são plenamente alfabetizados.

Na outra ponta, entre famílias que recebem até um salário por mês, apenas 8% atingem o nível pleno de alfabetização. Segundo o estudo, a chegada dos mais pobres ao ensino não foi acompanhada de investimentos para garantir condições adequadas de aprendizagem.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.