campanha

Alckmin tenta se descolar de Temer

00:00 · 14.09.2018 / atualizado às 00:01
Image-0-Artigo-2452893-1
Tucano fez campanha no centro do Rio; sobre ex-governador preso, Alckmin defendeu punição de culpados ( FOTO: AFP )

Rio de Janeiro. O candidato do PSDB à Presidência da República, Geraldo Alckmin, fez um esforço em se desvincular do governo de Michel Temer (MDB), em entrevista ao jornal carioca "O Globo", ontem.

Ele disse ter sido contra o partido ingressar no governo, a que se referiu como "um grande problema porque não tem voto". "O PSDB não tem nada a ver com esse governo, totalmente distanciado do povo. Partido moderno dialoga com o povo, presta conta", afirmou, acrescentando que o "PT que escolheu o Temer".

Leia ainda:

> Sem previsão de alta, Bolsonaro segue na UTI 
> Haddad faz 1º ato na Grande São Paulo
 
Alckmin disse ainda que há "vários tons do PT" entre os seus adversários, numa referência à expressão utilizada por Guilherme Boulos (PSOL), que costuma dizer nos debates que "há vários tons de Temer" entre os candidatos. "Você tem vários tons do PT e dos adoradores de Lula, como Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede), Boulos e até Henrique Meirelles (MDB) como presidente do Banco Central, no governo PT", disse o ex-governador de São Paulo. O candidato afirmou também que "a prioridade do PT não é o partido, é o Lula".

O candidato disse também que as eleições 2018 são "atípicas" e que "ninguém está garantido no segundo turno". Ao ser questionado se não achava que nem Jair Bolsonaro (PSL) já estaria garantido no segundo turno, ele disse ser contra candidatos populistas, seja de esquerda ou direita. "Isso de aventureiros tem consequências lá na frente. Não leva a lugar nenhum".

Corrupção

Alckmin comentou ainda a prisão do ex-governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), e a operação que teve como alvo o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), acusado de corrupção. Alckmin se disse surpreso com os acontecimentos e afirmou que "as pessoas citadas devem se explicar".

"Toda a sociedade brasileira quer que se punam os culpados e absolvam os inocentes. Não passamos a mão na cabeça de ninguém", disse. Ele afirmou também que foi o único do partido que votou contra a reeleição de Aécio Neves (PSDB) na sigla e que, na época, "não tinha denúncia nenhuma contra ele".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.