Ceará

Volante mais que funcional

Juninho não se vê sobrecarregado no esquema de 3 zagueiros e se cobra por gols, como fazia pelo Bahia

00:00 · 25.04.2018 / atualizado às 01:34 por Vladimir Marques - Repórter
foto
O volante Juninho é hoje peça chave no meio campo do Ceará na falta de Richardson ( FOTO: JL ROSA )

O volante Juninho é daqueles modernos, que tanto faz a função de marcação, quanto chega bem à frente, marcando seus gols. No Ceará, ao virar titular após a contusão no quadril de Pedro Ken, o jogador dividia as tarefas de contenção no meio com Richardson. Mas com a lesão do companheiro e a saída de Raul, o técnico Marcelo Chamusca montou o Ceará com 3 zagueiros e apenas Juninho de volante no duelo do último domingo contra o São Paulo no Castelão. Na formação utilizada pelo treinador, o 3-5-2, Juninho foi o único volante, Pio foi meia e Wescley jogou no ataque ao lado de Felipe Azevedo e Arthur.

E mesmo com característica de segundo volante, Juninho se adaptou bem ao novo esquema de jogo utilizado pelo técnico, elogiou a forma da equipe jogar, garantindo não se sentir sobrecarregado.

"O Chamusca sempre me dá total confiança. Me dá total liberdade, mas com três zagueiros não precisei me preocupar muito com a cobertura dos laterais, e com isso fiquei mais inteiro para poder jogar e me senti bem fisicamente no fim da partida. A equipe se comportou muito bem com os três zagueiros".

Em seguida, o volante afirmou não ter predileção de esquema de jogo, se atuando como único volante, ou com um companheiro no setor, como aconteceu na reta final do jogo diante do São Paulo, quando Naldo foi posto em campo.

"Já joguei assim várias vezes, não tenho problema em jogar na linha de quatro ou cinco. Quando se está bem treinado e consciente no que fazer em campo, as coisas vão acontecer, independente da formação. O Chamusca é muito inteligente e sabe aproveitar as peças que tem".

Gols

Como pôde chegar um pouco mais à frente no novo esquema de jogo mesmo sendo o único volante, Juninho afirmou que sente falta dos gols que marcava em chutes de longa distância.

No Ceará foram dois, um de falta, contra o Londrina pela Copa do Brasil, e outro em chute de fora da área contra o Uniclinic. Ele afirmou que ainda quer mais e se cobra por mais gols com fez no Bahia. No time baiano, foram 16, e no clube anterior, o Macaé, foram 6. "Eu tenho me cobrado muito essa aproximação no ataque. Ainda está faltando eu finalizar mais de fora da área. Eu não tenho tido muita chance, não sei detectar o motivo, mas espero que os gols apareçam em breve", disse ele.

Para o jogo com o Flamengo, no domingo às 16 horas no Castelão pela 3ª rodada, o volante espera que o Ceará jogue ainda melhor e consiga sua primeira vitória na Série A.

"Já jogamos melhor contra o São Paulo. Temos que trabalhar firme essa semana, pois domingo temos um grande jogo contra um grande adversário, o Flamengo, e temos que vencer a primeira em casa", finalizou Juninho.

Boletim médico

Richardson

Recuperado de lesão na musculatura do adutor da coxa direita, o volante iniciou ontem processo de transição e tem boas chances de atuar contra o Flamengo no domingo no Castelão

Ricardinho

O meia se recupera de entorse no tornozelo direito e será reavaliado na próxima semana, com isso, está fora da partida contra o Flamengo no domingo no Castelão

Rafael Pereira

Com entorse no tornozelo, ele ainda está em tratamento. A reavaliação está prevista para a próxima semana

Pedro Ken

Já em período de transição, o atleta realiza reforço muscular, mas não há prazo para a liberação aos treinos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.