surfe

Sonho frustrado

Sem delegação brasileira em torneio classificatório para olimpíadas, cearense está fora da disputa

00:00 · 15.09.2018
Image-0-Artigo-2453362-1
A cearense Larissa dos Santos tinha a expectativa de ir bem no torneio para garantir vaga no Pan, ficar perto das olimpíadas do Japão e conseguir mais patrocínios ( FOTO: ALEKO STERGIOU )

Recentemente, mostramos a saga da cearense Larissa dos Santos em busca do sonho olímpico. Desde a luta pela obtenção da vaga no ISA World Surfing Games, até mesmo a expectativa pelo evento que irá qualificar os dois melhores atletas das Américas para os Jogos Panamericanos de 2019 e que tem início neste sábado, 15, finalizando dia 19, no Japão.

Contudo, a notícia da desistência da participação da delegação brasileira no mundial de países promovido pela ISA, a International Surf Association, divulgada no início dessa semana, representou um verdadeiro banho de água fria nos planos da conquista da vaga olímpica pela cearense Larissa dos Santos.

Segundo a Confederação Brasileira de Surfe, a entidade não teria como atender a todas as exigências para a prestação de contas e incorreria no risco de, além de ter de devolver o dinheiro recebido, ainda ficar impedida de executar os outros projetos já em andamento, como o Circuito Brasileiro de Surfe.

Para o grupo de seis brasileiros que compunham a delegação, a notícia caiu como uma bomba em suas cabeças e Larissa dos Santos, cearense que havia conquistado uma das vagas, falou com exclusividade ao Diário do Nordeste, a respeito do assunto: "Para mim estão sendo dias bem difíceis. É frustrante ter lutado tanto e no final das contas nada ter dado certo. Se ao menos eu tivesse ido e perdido, não tivesse surfado nada, tudo bem, a derrota seria minha. Mas, não ter nem a chance de mostrar meu potencial, de lutar pelo meu sonho, é ainda mais triste que ser derrotada. Eu que sonhava com esse Mundial da ISA há muito tempo, pois, já fazem cinco anos da minha última participação em eventos da entidade e além do mais, seria meu primeiro Mundial como profissional, importante para minha carreira como atleta e sem falar na chance olímpica de já garantir a classificação para o Panamericano", desabafou a atleta cearense.

Posição

O Presidente da Confederação Brasileira de Surfe, Adalvo Argolo, disse que foi a decisão correta. "Temos ciência que tomamos a decisão correta. Não iríamos receber recursos aos quais não teríamos como prestar contas e depois sujar o nome da Confederação, sujar o nome do esporte. O presidente e o Vice-Presidente do COB estão sendo solidários afirmando que fizemos a coisa certa", justificou. "Eu sei da importância de termos ido para esses jogos no Japão. Estamos extremamente decepcionados".

Futuro

Adalvo foi otimista quanto ao futuro dos atletas para as olimpíadas. "O que vai contar mesmo para a classificação para o Panamericano são os Jogos da Pasa, a Panamerican Surf Association, de 2 a 9 de dezembro de 2018, onde será classificado o Time do Brasil e dos demais países, para o Panamericano de 2019", disse o presidente da Confederação. (Colaboração George Noronha)

Entenda o caso:

A CBSurf não mandará uma delegação para o ISA World Surfing Games, torneio que será disputado no Japão, de 15 a 19 de setembro.

O evento vale vaga para os dois surfistas mais bem colocados do continente, para os Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru, em 2019. Porta de entrada para os Jogos Olímpicos.

 

CBSurf alegou dificuldades burocráticas para lidar com o dinheiro liberado pelo COB, que garantiria todos os custos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.