Série A

Jogador do Sport critica jogo no PV: "é catimba do Ceará"

Rafael Marques afirma também que saída do Castelão é ruim para torcedores, jogadores e até imprensa

10:03 · 12.07.2018 / atualizado às 11:00
Rafael Marques
O experiente jogador declarou que o Sport entra em campo focado, apesar dos salários atrasados ( Foto: Willian Aguiar/Sport )

O atacante Rafael Marques, do Sport/PE, criticou a decisão da diretoria do Ceará de mudar o local da partida entre as duas equipes da Arena Castelão para o Estádio Presidente Vargas (PV). O jogo acontece na próxima quarta-feira (18), às 19h30, pela 13ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro. 

Para o jogador de 35 anos, a mudança - informada ao clube pernambuco apenas nesta segunda (9) pela Diretoria de Competições da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) - é ruim para o futebol já que os donos da casa optam por jogar em um gramado mais irregular.

"Quem tem a perder são os torcedores, nós jogadores e a imprensa também. Só que a gente sabe como é, pelo fato deles estarem passando por um momento mais difícil no campeonato, tudo que for de catimba que eles puderem usar, irão querer, e o importante é nós do Sport não deixarmos nada atrapalhar o nosso foco", declarou durante entrevista coletiva nesta quarta (11).

Uma vitória diante do Ceará fora de casa é fundamental para as pretensões do time pernambucano, que ocupa a 7ª posição com 19 pontos (5V/4E/3D), três menos que primeiro integrante do G4, Internacional. No entanto, o discurso do Leão da Ilha é de dificuldades diante do lanterna Ceará, que ainda não venceu na competição.   

"Colocamos na cabeça que é mais uma equipe no campeonato, independente do momento. Será tão difícil quanto enfrentar o time da primeira posição. Vamos ter respeito, encarar de igual para igual e não achar que vai ser fácil porque eles estão na parte de baixo da tabela", apontou Rafael Marques.

Salário atrasado

Apesar do momento na Série A, o adversário do Vovô encontra problemas no departamento financeiro. Com mais de dois meses de direito de imagem atrasados, o Sport/PE ainda busca alternativas para regularizar a situação com o elenco, a exemplo das rescisões contratuais dos zagueiro Henriquez e do lateral-direito Fellipe Rodrigues, visando a diminuição da folha salarial.

A problemática existe no clube desde o início da temporada e acabou acentuada com a eliminação diante do Ferroviário pela Copa do Brasil, além da decisão da diretoria de não participar da Copa do Nordeste, deixando de arrecadar R$ 23,8 milhões no somatório dos torneios. Em maio deste ano, o presidente do Conselho Deliberativo do Sport, Homero Lacerda, chegou a afirmou que o rubro-negro está em "estado de insolvência, o que significa que além de falido, o clube não tem condições de pagar as dívidas".   

Mesmo com o momento difícil fora de campo, o experiente Rafael Marques garante que os jogadores seguem trabalhando normalmente."É óbvio que nunca é legal quando atrasa salário. Se disser que está mil maravilhas, estou mentindo. Mas, o ambiente aqui não tem mudado nada. Independente de salário atrasado, a diretoria está fazendo de tudo para quitar esses meses que faltam e nós estamos focados no trabalho", disse o atacante do Sport.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.