Polêmica

ITF defende árbitro insultado por Serena Williams

A tenista chamou o árbitro de cadeira de "ladrão e mentiroso" durante a final feminina da OS Open. A organização puniu Serena com multa de 17 mil dólares, mais de R$69 mil no câmbio atual

15:47 · 10.09.2018 por AFP
serena williams
Serena recebeu três advertências no segundo set: a primeira por receber instruções do treinador, a segunda por quebrar a raquete e a terceira por chamar o árbitro de "mentiroso" e "ladrão", que resultou na perda automática de um game. ( Foto: AFP )

A Federação Internacional de Tênis (ITF) defendeu, nesta segunda-feira (10), o "profissionalismo e honestidade" de Carlos Ramos, árbitro de cadeira que foi chamado de mentiroso e ladrão por Serena Williams durante a final feminina do US Open.

A mais jovem das irmãs Williams perdeu a decisão para a japonesa Naomi Osaka por 6-2 e 6-4, mas a partida ficou marcada pelo comportamento da tenista americana, que recebeu três advertências no segundo set: a primeira por receber instruções do treinador, a segunda por quebrar a raquete e a terceira por chamar o árbitro de "mentiroso" e "ladrão", que resultou na perda automática de um game.

Após a derrota, Serena acusou o português Carlos Ramos de ter tomado uma decisão "sexista", já que em outras ocasiões os atletas masculinos não receberam castigos por ações semelhantes.

"Carlos Ramos é um dos árbitros mais respeitados e experientes do circuito", defendeu a ITF em comunicado. "Suas decisões foram tomadas segundo o regulamento e foram ratificadas pela decisão da direção do torneio ao multar Serena Williams pelas três advertências", acrescentou.

"É compreensível que este incidente lamentável tenha dado lugar a um debate, mas ao mesmo tempo é importante lembrar que o senhor Ramos atuou em acordo com as regras, dando provas de profissionalismo e honestidade", acrescentou.

Williams recusou cumprimentar o árbitro após o jogo. A organização do US Open puniu Serena com multa de 17.000 dólares (mais de R$69 mil no câmbio atual).

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.