parceria com a uber

Goleiro do Atlético-PR com celular no campo faz parte de campanha sobre trânsito

"O que eu fiz em campo é igual ao que milhares de pessoas fazem [...] Só que se envolver em um acidente de trânsito é muito mais perigoso", comentou o goleiro Santos

20:29 · 14.05.2018 por Folhapress
Santos
Santos começou a mexer no celular antes do apito inicial da partida, em jogo vencido pelo Atlético-MG por 2 a 1 ( Foto: Facebook/reprodução )

A imagem que viralizou nas redes sociais, com o goleiro Santos, do Atlético-PR, mexendo no celular em campo, minutos antes do início do jogo contra o Atlético MG, foi uma ação do marketing do clube pela conscientização do uso do celular no trânsito. O clube firmou parceria com a Uber como parte da campanha do "Maio Amarelo" sobre riscos na direção de veículos.

Santos começou a mexer no celular antes do apito inicial da partida, em jogo vencido pelo Atlético-MG por 2 a 1, na casa do xará paranaense. Torcedores registraram o fato e logo uma filmagem em alta qualidade passou a circular.

Nesta segunda-feira (14), o goleiro admitiu que o ato foi parte da campanha. "O que eu fiz em campo é igual ao que milhares de pessoas fazem todos os dias no carro. Só que se envolver em um acidente de trânsito é muito mais perigoso do que tomar um gol", explicou Santos. Ele também gravou um vídeo sobre o tema.

No domingo, o goleiro havia evitado confirmar o fato, e o técnico da equipe, Fernando Diniz, também disse desconhecer a história: "Não tenho conhecimento. Acho estranho, porque o Santos é um jogador muito responsável, acho estranho. A gente precisa saber porque isso aconteceu. Estou sabendo agora", declarou.

A ação partiu do próprio clube e propõe debater o uso do celular em momentos inapropriados. Entretanto, o Atlético corre o risco de ver Santos punido por "conduta inadequada", prevista no artigo 258, caso algum procurador do STJD denuncie o atleta. Na súmula assinada pelo árbitro Luiz Flávio de Oliveira, não há nenhuma referência ao fato.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.