Artilheiros

Felipão elogia Borja no Palmeiras e o compara com Jardel

Centroavante cearense marcou 12 gols na Libertadores de 1995, sendo decisivo para o título do Grêmio

Atacante colombiano marcou os dois gols do Palmeiras na Libertadores diante do Cerro ( Foto: divulgação/Palmeiras )
10:11 · 10.08.2018 / atualizado às 10:12 por Estadão Conteúdo
Felipão trabalhou com o atleta enquanto dirigia o time gaúcho ( Foto: arquivo/Grêmio )

O técnico Luiz Felipe Scolari se rendeu à grande fase do atacante Miguel Borja. Em entrevista coletiva depois de o Palmeiras bater o Cerro Porteño por 2 a 0, no Paraguai, no jogo de ida das oitavas de final da Copa Libertadores, o treinador elogiou a atuação decisiva do colombiano, autor dos dois gols, e o comparou a antigos ex-comandados.

Em 36 anos de carreira, Felipão relembrou sempre ter gostado de trabalhar com centroavantes fixos. Nos dois títulos que ganhou na Copa Libertadores, em 1995, com o Grêmio, e em 1999, com o Palmeiras, o treinador mencionou que tinha jogadores com as mesmas características de Borja, como senso de posicionamento e poder de finalização.

Borja tem oito gols em sete jogos nesta Libertadores. Já no ano, tem 17 gols em 25 partidas. "Com o Grêmio, eu tinha o Jardel. Na outra vez que o Palmeiras foi campeão, tinha o Oséas. No Criciúma (campeão da Copa do Brasil em 1991) tinha um atacante que faleceu recentemente, o Soares. Então, são centroavantes que estão com aquela presença na área", disse Felipão.

Os jogadores citados por Felipão foram de suma importância para o êxito dos trabalhos dele na Libertadores. Jardel marcou 12 gols na campanha de 1995 e foi o artilheiro da competição. Já Oséas, anotou quatro vezes em 1999, a última delas sendo o gol responsável por definir o placar de 2 a 1 e levar a final contra o Deportivo Cali para os pênaltis, quando o Palmeiras faturou o título.

Centroavante na China

Felipão relembrou ter usado em trabalhos recentes, como na China o atacante Alan na função e afirmou estar contente com as opções do Palmeiras para a posição. "A equipe tem que trabalhar para o Borja, como fez, e ele tem que sair da área porque é bom nessa jogada. Temos também o Deyverson que joga na área e o Willian, mas esse não é centroavante. Vamos colocar um 9 que vai ajudar nos jogos", comentou.

O artilheiro do Palmeiras na temporada comemorou o resultado como visitante. "Foi um jogo muito feliz da nossa parte, trabalhamos bem para a partida. Estamos felizes. Fizemos o melhor para levar o resultado para São Paulo", disse Borja ao SporTV. A partida de volta será no dia 30, no Allianz Parque, em São Paulo.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.