Dirigentes de Ceará e Fortaleza defendem Clássico-Rei com duas torcidas

10:51 · 27.12.2011

Clássico-Rei com uma torcida só? Não se depender de Fortaleza e Ceará. Em entrevista à TV DN, na manhã desta terça-feira, o presidente interino do Alvinegro, Robinson de Castro, e o diretor de futebol do Leão, Jorge Mota, disseram que tentarão fazer com que os jogos entre os clubes no PV contem com as 2 torcidas.

"Clássico com as 2 torcidas é um jogo mais bonito, bem melhor de assistir. Gostaria até de conversar com o Robinson de Castro. Talvez com ingressos reduzidos, talvez com apenas 9 mil para cada clube, sem valer o sócio-torcedor, com ingresso mais caro. Enfim, acho que tem condições, até porque o problema de segurança é externo. Há segurança para outros grandes eventos, para o réveillon do Prefeita, porque não pode haver para o futebol também?", argumentou Jorge Mota.

Robinson de Castro concordou com o diretor tricolor. "Comungo com o Jorge. Há como fazer um jogo com 2 torcidas. Temos que sentar e definir alguns detalhes, como o sócio-torcedor, até porque o Ceará respeita muito seus sócios. Mas a gente sentando, dialogando, é possível. Se houver boa vontade, é possível. Muita vezes alguns orgãos ficam radicalizando, mas é preciso flexibilizar", argumentou.

O primeiro Clássico-Rei de 2012 está marcado para o dia 12 de fevereiro.

Mudança de opinião

No início do mês, os clubes defenderam torcida única no clássico. O mesmo Robinson de Castro foi taxativo, na época: "Na minha concepção é jogo de uma torcida só". Do lado tricolor, o diretor de relações públicas, Fábio Mota classificou como "totalmente inviável" jogar no PV com duas torcidas.

Na mesma data, o comandante da Companhia Independente de Policiamento de Eventos (Cipe), major George Benício, disse que não valia a pena correr o risco. De acordo com o oficial, a preocupação maior tem de ser com a segurança do torcedor. "Nossa obrigação é preservar a integridade física do torcedor. Se algum torcedor se machucar, ou se lesionar, o clássico não valerá a pena", argumentou na época.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.