Tudo Certo

CBF não vê erro de árbitro em gol do Palmeiras anulado na Copa do Brasil

Árbitro da partida anulou gol palmeirense nos acréscimos, no jogo de ida da semifinal da Copa do Brasil. O Cruzeiro venceu por 1 a 0

16:14 · 13.09.2018 por Folha Press
Fábio
Em disputa na área, o goleiro Fábio, do Cruzeiro, fica com a bola. ( Foto: SE Palmeiras / Divulgação )

O coordenador do VAR (árbitro assistente de vídeo) no Brasil, Sérgio Corrêa, afirmou que o árbitro Wagner Reway agiu corretamente no lance que anulou o gol do zagueiro Antônio Carlos, marcado aos 52 minutos do segundo tempo, na derrota do Palmeiras para o Cruzeiro por 1 a 0, na quarta-feira (12), no Allianz Parque, pela partida de ida das semifinais da Copa do Brasil.

Reway anulou a jogada após interpretar que o zagueiro Edu Dracena cometeu falta no goleiro Fábio. Na sequência, a bola sobrou para Antônio Carlos que concluiu para o gol.

"A orientação que os árbitros recebem é atuar como se não houvesse o VAR e foi isso que o Wagner Reway fez naquele lance. É uma jogada interpretativa e cabe apenas ao árbitro decidir se foi falta ou não. A interpretação cabe somente ao árbitro", disse Sérgio Corrêa, que também exerce o cargo de chefe de comissão de arbitragem da CBF.

O lance gerou muita reclamação do Palmeiras. De acordo com Alexandre Mattos, diretor de futebol do clube, o árbitro deveria deixar o lance seguir e depois consultar o VAR caso fosse chamado. Ele afirmou que essa orientação partiu do próprio Sérgio Corrêa antes do jogo.

"O Sérgio Corrêa [da Silva, chefe do departamento de arbitragem da CBF] esteve no meu vestiário antes do jogo. Ele disse para mim e para o Felipão: Alexandre, avise seus jogadores que lance capital é para seguir até o fim, depois vamos ver no VAR o que aconteceu", relatou o dirigente após a partida.

Corrêa, porém, afirmou que essa orientação é apenas para situações de impedimento.

''Eu disse [aos elencos de Palmeiras e Cruzeiro] que, nos casos de impedimentos, os jogadores devem seguir na jogada até ouvir o apito do árbitro, pois se estiver impedido se tem a possibilidade de acerto ou da confirmação do fora de jogo. Em lances de impedimento o assistente adia a bandeira. Se sai o gol, a checagem ocorrerá. Se não houver impedimento, gol confirmado. Se houver impedimento, anula. Portanto, os jogadores não devem parar se o assistente levantar, mas apenas quando o árbitro apitar", explicou.

O árbitro de vídeo em competições organizadas pela CBF estreou nas quartas de final da Copa do Brasil.

Com a derrota por 1 a 0, o Palmeiras precisará vencer por dois gols de diferença no Mineirão, no dia 26, para avançar à final da Copa do Brasil. Se ganhar por um gol de vantagem, a vaga será decidida nos pênaltis.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.