Bola de Ouro

O 'fominha' está de volta

Após ver Cristiano Ronaldo vencer duas edições, Messi leva seu 5º troféu ao desbancar o português e Neymar

00:00 · 12.01.2016
Image-0-Artigo-1999634-1
Lionel Messi vencera a disputa nos anos de 2009, 2010, 2011 e 2012 ( Foto: Reuters )

Deu a lógica. Confirmando todas as previsões, Lionel Messi foi laureado nessa segunda-feira com sua quinta Bola de Ouro da Fifa, desta vez como melhor jogador do mundo no ano de 2015. O argentino, que venceu quatro vezes seguidas entre 2009 e 2012, agora retorna ao topo depois de ser superado por Cristiano Ronaldo em 2013 e 2014.

> Vencedor do Prêmio Puskas jogou no Fortaleza

Messi foi eleito como o melhor do mundo por 41,33% do colégio eleitoral, composto por capitães e técnicos de cada uma das seleções da Fifa e por um jornalista de cada país federado à entidade. Cristiano Ronaldo ficou em segundo pela quarta vez, repetindo 2009, 2011 e 2012. O português teve 27,76% dos votos. Neymar, finalista pela primeira vez, terminou em terceiro, com 7,86%.

"É muito bom voltar aqui depois de duas conquistas do Ronaldo. É incrível que seja a quinta. Vislumbrava isso quando eu era pequeno. Queria agradecer a todos que votaram em mim e aos meus colegas de equipe. Sem eles não seria possível", disse Messi ao receber o prêmio.

Se em 2013 Messi foi prejudicado por lesões e em 2014 Cristiano Ronaldo levou o Real Madrid ao título da Liga dos Campeões, no ano passado não houve o que atrapalhasse Messi, considerado o melhor jogador da sua geração, a ser novamente consagrado como o melhor do ano. Pelo contrário. Iniesta, Xavi, Neymar e Suárez só ajudaram o argentino a jogar em grande forma.

Só em 2015, Messi ganhou o Campeonato Espanhol, a Copa do Rei, a Liga dos Campeões, o Mundial de Clubes e a Supercopa da Europa. Só não levou a Supercopa da Espanha, vencida pelo Athletic Bilbao.

Se a premiação fosse a Chuteira de Ouro (entregue a artilheiros dos torneios da Fifa), ela ficaria com Cristiano Ronaldo, que anotou 54 em 52 jogos em 2015. Messi fez seis a menos - 48 -, em uma partida a mais. Diferentemente do português, entretanto, o argentino foi decisivo em momentos chaves da temporada. Fez gols nas finais do Mundial de Clubes, da Copa do Rei e da Supercopa da Europa. Também anotou o gol do título espanhol.

O único porém no ano de Messi é seu desempenho com a seleção da Argentina, ainda abaixo do esperado. Em 2015, a Argentina perdeu a decisão da Copa América para o Chile e, ao longo de todo o torneio, o atacante fez só um gol, de pênalti, e só deu assistências na goleada sobre o Paraguai. De resto, foi discreto.

Domínio brasileiro

Como era de se esperar, a seleção do ano da Fifa teve Neymar e os outros dois finalistas do prêmio, Cristiano Ronaldo e Messi. Mas outros três brasileiros figuraram na parte defensiva: o zagueiro Thiago Silva e os laterais Daniel Alves e Marcelo.

Mesmo com a má fase da Seleção em 2015, foram quatro atletas do Brasil, contra dois espanhóis (Sergio Ramos e Iniesta), um argentino (Messi), um alemão (Neuer) um português (Cristiano Ronaldo), um francês (Pogba) e um croata (Modric).

Saiba mais

Melhor jogadora

Campeã mundial com a seleção dos Estados Unidos, Carli Lloyd confirmou o favoritismo e recebeu nesta segunda-feira o prêmio de melhor jogadora do planeta, superando a japonesa Aya Miyama e a alemã Celia Sasic

Seleção da Fifa

Goleiro: Neuer, Daniel Alves, Thiago Silva, Sergio Ramos e Marcelo; Modric, Iniesta e Pogba; Neymar, Messi e Cristiano Ronaldo

Melhor técnico

Luis Enrique, do Barcelona, superou Jorge Sampaoli (seleção chilena) e Pep Guardiola (Bayern de Munique) e acabou levando o prêmio

Neymar elogia Wendell

Neymar foi mais um a reverenciar o golaço de Wendell Lira. "Foi meio 'Karate Kid'. Não sei da onde ele tirou a manobra, mas foi um golaço, merecido", declarou o craque do Barcelona ao canal SporTV

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.