SANDBOARD

Homens de areia

21:54 · 29.10.2011
( )
( )
As feras do sandboard cearense costumam treinar para as competições na Praia da Sabiaguaba
As feras do sandboard cearense costumam treinar para as competições na Praia da Sabiaguaba ( Natinho Rodrigues )
Hora de conhecer as particularidades de um esporte que tem a cara do Ceará e já possui seus atletas de renome

O Sandboard é um esporte que consiste basicamente em deslizar em dunas de areia, de pé, utilizando uma prancha de madeira que tem o fundo revestido por fórmica. Simples certo? Errado. Para seus praticantes, o sandboard é muito mais do que isso. É uma maneira de estar em contato direto com a natureza em uma atividade extremamente radical. É praticar um esporte que exige muita resistência e vigor físico e acima de tudo, se acostumar a ver paisagens exuberantes do alto das dunas cearenses, mesmo que estas estejam cada vez mais raras.

"Para mim, o sandboard é muito mais que minha profissão, um esporte ou um estilo de vida. Sandboard é a minha própria vida. Amo este esporte e não sei o que estaria fazendo da vida se não fosse atleta. É por isso que sempre procuro dar o meu melhor para representar bem o Ceará em todas as competições que participo, pois desde o dia em que deslizei em uma duna pela primeira vez, minha vida mudou completamente", declara emocionado Esdras Tikinho, sandboarder profissional que já conquistou vários títulos e ganhou notoriedade em 2010 ao vencer um campeonato de Snowboard (a versão do sandboard na neve) em pista artificial em São Paulo. A vitória lhe garantiu a inédita vaga cearense para o Circuito Brasileiro de Snowboard, realizada em Chapelco, na Argentina.

Conversando com os demais atletas que estavam na duna da Sabiaguaba, treinando para a etapa do circuito estadual que rola neste fim de semana, é difícil não se impressionar com a maneira como este esporte seduz seus praticantes e os envolve em um ambiente de consciência ambiental e social. O surf na areia realmente está transformando a vida de muita gente. João Roberto, o Ferinha, que mora na Sabiaguaba e diz não cansar de contemplar o espetáculo do por-do-sol de cima das dunas, é um deles.

"Acho que nunca na vida vou enjoar de subir nessa duna para dar uma descida ou simplesmente, para curtir um por-do-sol alucinante", afirma Ferinha, que praticamente cresceu em frente a uma duna e já perdeu as contas de quantas vezes subiu e desceu seus mais de 30 metros. Difícil não lembrar dadas alegrias e tristezas que teve lá, entre manobras emocionantes e algumas quedas que ele prefere esquecer. Isso sem falar no aprendizado a respeito da importância de se cuidar e preservar o meio ambiente como um todo, para que as próximas gerações possam continuar a usufruir do prazer de deslizar nas dunas.

Experiência própria

E antes que vocês se perguntem se eu também já experimentei a sensação de deslizar em um sandboard, lhes afirmo que é uma das melhores sensações que se pode sentir. Quando você chega no topo da duna e se prepara para enfrentar a íngreme descida é como se todo aquele deserto de areia se transformasse em uma grande onda. A subida é exaustiva, um verdadeiro sacrifício. Mas, a sensação da descida, a velocidade, o vento soprando no rosto e, principalmente, a adrenalina das manobras, fazem deste esporte radical uma excelente opção para quem deseja praticar um esporte radical de baixo custo, que encontra no Ceará um lugar com condições ideais para a sua prática.

Saiba Mais

Nascimento
O Sandboard surgiu na Califórnia, na década de 1960

Potências
Peru, Alemanha, África do Sul, EUA e Brasil são os países com maior tradição no esporte

Por aqui
O sandboard só aportou no Ceará por volta do fim da década de 1980 e início de1990

Modalidades
Slalon, Boardercross, Big Air (a mais popular no Brasil) e SlopeStyle são as principais modalidades do esporte

Mundial
O Campeonato Mundial de Sandboard acontece no Monte Kaolino, em Hirschau (Região da Bavaria), Alemanha, em uma duna artificial com inclinação de 40º

ESPORTE E INCLUSÃO SOCIAL
Nova geração aguarda sua vez

Apesar dos parcos recursos e dos quase inexistentes investimentos do poder público e da iniciativa privada no esporte, o sandboard insiste em crescer e revelar novos atletas.

É o caso de Shinaider e Netinho, atletas da nova geração que despontam como competidores de alto rendimento. Eles se dizem prontos para alçar voos mais altos, representando o Ceará em provas nacionais e internacionais, mas estão com o futuro ameaçado por falta de patrocínio. "Temos ótimos atletas, mas, ainda falta apoio. Contudo, nem tudo são espinhos, pois, nosso trabalho vai muito além da competição. Para nós, o sandboard é uma importante ferramenta de inclusão social e de educação", explicou Weberto Papito, homem à frente da Associação de Esportes Radicais da Sabiaguaba (AERS), enfatizando os benefícios para os atletas através de parcerias, como a estabelecida com a ONG A Cura do Planeta, que apoia e orienta tecnicamente os atletas assistidos pela AERS.

Desafio

Atualmente, nosso principal representante é Esdras Tikinho. "Se tudo der certo, embarco para o Peru no dia 10 de novembro para duas competições. A primeira será na cidade de Huacachina, um oásis no meio deserto peruano, que servirá de prévia para a Copa Peru Internacional, que será realizada em Lima. Depois, irei a uma competição de snowboard na Serra Estrela, em Portugal", declarou Esdras que tem na manobra Rodeo 720º (movimento em que o atleta executa dois giros completos sobre seu próprio eixo), sua maior arma.

GEORGE NORONHA
ESPECIAL PARA O JOGADA

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.