chapecoense

Falta de combustível foi causa da tragédia

00:00 · 28.04.2018

A Aeronáutica Civil da Colômbia apresentou as conclusões do relatório final sobre o desastre com o avião da LaMia que caiu no dia 28 de novembro de 2016 (dia 29, pelo horário de Brasília) levando a delegação da Chapecoense e deixando 71 mortos. A investigação confirma que o combustível do avião era insuficiente para o voo entre Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, e Medellín, na Colômbia, e que a empresa aérea não se preparou adequadamente para o voo internacional.

A pane, de acordo com as investigações, começou 40 minutos antes de o avião cair. Os pilotos sabiam disso. O contrato do voo previa escala entre São Paulo e o aeroporto de Medellín, mas a empresa planejou viagem direto, o que não foi permitido pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Então, a delegação do time catarinense pegou um voo de São Paulo até Santa Cruz de la Sierra e, da cidade boliviana, embarcou no voo da LaMia em direção a Medellín. As normas internacionais de aviação exigem que um voo deve ter combustível acima do necessário para fazer o trajeto programado, com sobra para alcançar um aeroporto mais próximo e ter ainda condições de manter o voo por ao menos 30 minutos.

Desta forma, o avião da LaMia deveria contar com pelo menos 11.603 quilos de combustível. Mas, de acordo com o relatório final, havia apenas 9.300 quilos. "O avião caiu por falta de combustível", informou os representantes da aeronáutica civil da Colômbia, sem meias palavras. "Os quatro motores da aeronave pararam de funcionar, o que provocou a queda. Pararam de funcionar por falta de combustível".

Os coordenadores da investigação concluíram que a empresa se valia com frequência dessa "péssima prática" de voo, sem se preparar adequadamente.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.