Mundial de Surfe

De frente com Medina

Blog Manobra Radical consegue dar uma "palavrinha" com o campeão mundial em dia sem competições

00:00 · 14.05.2015
Image-0-Artigo-1852806-1
Paulista de Maresias reconhece que não vinha bem no Circuito em 2015, mas afirma que oportunidade de surfar em casa na 4ª etapa da competição pode ser o ingrediente que faltava para sua recuperação ( FOTO: KIRSTIN SCHOLTZ / ASP )

Muito assediado por fãs e imprensa do mundo inteiro, atualmente é quase impossível conseguir um momento da atenção do atual campeão mundial de surfe Gabriel Medina. Contudo, em um raro momento de desatenção dos seguranças do Rio Pro 2015, 4ª etapa do Mundial de Surfe na capital fluminense, ontem, o Blog Manobra Radical, do Diário do Nordeste, uma rápida entrevista exclusiva com o surfista, na qual comentou sobre a origem de seu carisma.

> Silvana Lima encara seu 'teste de fogo'

"Acredito que muito desse carinho que o público tem por mim seja da maneira como me comporto com meus pais. Gosto de ser obediente, de escutar o que eles dizem, de cuidar dos meus irmãos... Essas coisas de família. Acredito que a verdade dessas atitudes me aproxima tanto dos mais jovens como dos mais velhos", explicou o brasileiro, sem se esquivar de seu papel primordial de ídolo: "sei que carrego comigo uma grande responsabilidade de ser exemplo para muita gente que acompanha meu trabalho, por isso procuro fazer sempre as coisas certas", declarou o paulista, se dizendo confiante em relação à sequência do Mundial, no qual andou em baixa em suas três primeiras etapas.

"Sei da importância da torcida para dar início à volta por cima no circuito, pois aqui (no Rio) me sinto em casa e vou buscar tirar vantagem disso", disse.

Repescagem adiada

No terceiro dia de competição, o litoral fluminense amanheceu sob a influência de um forte "swell". O Postinho da Barra da Tijuca, local onde está armada a estrutura principal do Oi Rio Pro 2015, amanheceu com ondulações que chegavam a atingir 3 metros na série. Contudo, com o vento prejudicando a formação das ondas, a direção de prova achou melhor adiar as baterias da 2ª fase, a repescagem.

Apesar de a maioria dos atletas concordar com decisão, a tensão dos que ainda tentam uma sobrevida na disputa só aumenta. Ontem, vários competidores foram vistos circulando pelo evento, alguns treinando nas pesadas ondas, outros buscando informações ou ainda prontos para uma possível chamada que acabou não se confirmando.

George Noronha*
Especial para o Jogada

*Enviado ao Rio de Janeiro

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.