coluna

Tom Barros: O título virou acessório

tomb

Tom Barros

tom@diariodonordeste.com.br • Colunista da editoria Jogada.

00:00 · 02.10.2017

Em uma semana o cenário mudou no Pici. Antes, o medo da eliminação. Hoje o sonho com o título da Série C. Sem as amarras da pressão o Fortaleza estará à vontade. Aí poderá mostrar melhor qualidade. Na fase classificatória, situações diferentes nos dois jogos: Aqui, o Leão goleou (3 x 0) no melhor jogo de Lúcio Flávio, que fez dois gols. Em São Luís, deu o contrário: Sampaio senhor do jogo (2 x 0 com méritos). O reencontro com o Fortaleza, agora seguro na Série B 2018, é chance para ovacioná-lo. A luta pelo título pode ser feita sem medos ou fantasmas. Se der certo, ótimo. Se não der certo, nada modificará. A ascensão está confirmada. Por mais paradoxal que pareça, o título na Série C passou a ser acessório.

Estrela

Claro que não custa nada seguir em busca de um título nacional, ou seja, o de campeão da Série C, com direito a uma estrela diferenciada. O Fortaleza já tem dois vice-campeonatos nacionais: o de 1960 quando decidiu a Taça Brasil com o Palmeiras no Pacaembu e o de 1968, quando decidiu com o Botafogo no Maraca.

Equivalência

Fortaleza e Sampaio Corrêa têm elencos que se equiparam. A vantagem tricolor está em jogar em casa. Mas terá de fazer boa diferença. Repetir o que fez com o Tupi de Minas Gerais. Assim transferirá toda a responsabilidade para o Sampaio no jogo de volta em São Luís. Daí a importância de vitória hoje.

Recordando

Image-1-Artigo-2304260-1

1968. Time do Fortaleza que disputou o Torneio Início daquele ano. A partir da esquerda (em pé): Miro, Valdir, Zé Paulo, Zeca, Ivan Frota e Átila. Na mesma ordem (agachados): Vanor Cruz, Mano, Facó, Zé Meu e Neto. Alguns desse grupo participaram da campanha do título estadual do ano seguinte, 1969, ganho pelo Fortaleza. (Do álbum do ex-jogador Átila).

Contraste

O Ceará jogou bem em Recife, mas só empatou com o Santa Cruz. O Ceará jogou mal em Lucas do Rio Verde, mas ganhou do Luverdense, inclusive derrubando tabu. Coisas do futebol. O Vozão ficou devendo. Jogou muito atrás e as ligações não aconteceram. Desta vez Ricardinho não brilhou. Arthur ficou sacrificado.

Contusões

Marcelo Chamusca teve azar porque praticamente não teve como fazer alterações táticas. As contusões e saídas de Rafael Pereira e Romário obrigaram o treinador a fazer o trivial: a entrada dos naturais substitutos das posições. Acertou ao fazer entrar Raul, quando se viu obrigado a fechar de vez na reta final.

Mais uma vez, ele

Image-0-Artigo-2304260-1

A segurança do goleiro Everson tem dado muita tranquilidade à defesa do Ceará. Além disso, louvável a rapidez com que consegue iniciar os contra-ataques alvinegros: no único gol do jogo, bola de Everson para Romário e deste para Lima. Pronto. Everson vem fazendo ligações rápidas e inteligentes.

Copa 2018. Para os dois últimos jogos do Brasil nas eliminatórias (5/10-Bolivia e 10/10-Chile) Tite fez duas mudanças na ala esquerda, por problema físico: Marcelo (Real Madrid) por Alex Sandro (Juventus) e agora Filipe Luis (Atlético Madrid) por Jorge (Mônaco). Os substitutos já atuaram com Tite uma vez em amistosos: Jorge (2º tempo de Brasil 1 x 0 Colômbia, Rio, 25/jan/2017, no lugar do estreante Fábio Santos) e Alex Sandro (titular no Brasil 4 x 0 Austrália, Melbourne,13/jun/2017). Dados: Airton Fontenele.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.