coluna

Tom Barros: Cada vez mais perto da "A"

tomb

Tom Barros

tom@diariodonordeste.com.br • Colunista da editoria Jogada.

00:00 · 04.10.2017

Outra vez o Ceará no G-4. Outra vez Magno Alves marcando gol. Outra vez a esperança de voltar a elite. A cada rodada, o Ceará mais perto da Série A. Vitória com mérito sobre o Vila. Vozão senhor absoluto no primeiro tempo, com bela exibição de Lima, seguido de Raul, Ken e Ricardinho. Um gol de Elton e três oportunidades claras desperdiçadas: uma com Leandro Carvalho, outra com o próprio Elton e a terceira com Ricardinho. Na fase final, o Vila Nova apertou. Tiago Adan teve grande chance, mas Everton salvou. Vila cresceu ainda mais com Moisés, Fernando e Lourency. Teve tudo para empatar. Numa resposta alvinegra Ken mandou bomba na trave. E para consolidar a vitória, o gol do Magnata (2 x 0).

Destaques

O Ceará jogou muito bem. Caiu de produção no segundo tempo, certamente pelo desgaste dos jogos fora e viagem. Mas fez o que lhe cabia. Destaque para Lima pelo primoroso primeiro tempo, visto em todas as partes do campo. Mas, no cômputo geral, Ken foi o melhor. Ken nos dois tempo, empenhado até à exaustão.

Triunfal retorno

Magno Alves, reencontro com o gol, com o aplauso da torcida, com o carinho dos companheiros, com o respeito merecido. É assim que Chamusca deve utilizá-lo. É assim que se aproveita o talento de um veterano, exemplo de dedicação, de profissional, de cidadão, de atleta. Valeu, Magnata!

Recordando

Image-0-Artigo-2305045-1

10 de setembro de 2007. Assim se passaram dez anos... Creio que a própria torcida do Ceará não lembra desse zagueiro que em 2007 fez parte do time do Vozão. Trata-se de Luís Carlos. Atuou na Ponte Preta de 2001 a 2006. Em 2007 defendeu o Ceará. Depois, Vila Nova, Oeste, Marília. Luis Carlos da Silva Junior está com 36 anos. Já encerrou a carreira.

Marca especial

O presidente do Fortaleza, Eduardo Girão, deixa registrada na história tricolor, mais que a subida para a Série B, a marca especial de uma cultura de paz. Cultura que diziam imprópria para o futebol, mas que ele provou ser correta. Com sua política de paz quebrou um tabu de oito anos.

Craque

Certa feita eu disse: houve uma época em que dar bicudo na bola era ofensa mortal, inconcebível, inaceitável, máxime entre atletas de elevado nível. Conceito mudado desde que Ronaldão fez o gol de bico na Turquia e classificou o Brasil para a final da Copa 2002. Excepcionalmente, desde então, o bicudo virou "arte".

A "arte" do bicudo

Image-1-Artigo-2305045-1

O Fortaleza contratou o atacante Leandro Cearense no dia 12 de maio deste ano. Pouco aproveitado, não rendeu ainda o que pode render. O seu gol, na vitória (1 x 0) sobre o Sampaio, pode significar novas oportunidades. O bicudo, abençoado bicudo, tem seus momentos de encanto. Foi assim no gol que marcou.

Notas & notas. Vejo a situação de ABC e Náutico na Série B bem parecida com a do Ceará, quando esteve para ser rebaixado na "B", sendo salvo pelo Lisca. Desespero muito. /// Em maio, o Sport, contratou o famoso treinador Vanderley Luxemburgo. Assumiu no lugar de Ney Franco, que perdera a Copa do Nordeste para o Bahia. Hoje, dia 4 de outubro, quatro meses depois da chegada de Luxemburgo a Recife, o Sport não se acertou. O time segue na zona de rebaixamento. Nem sempre técnico famoso é a solução.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.