Coluna

Tom Barros: agora só milagre

tomb

Tom Barros

tom@diariodonordeste.com.br • Colunista da editoria Jogada.

00:00 · 30.08.2018
O Bahia venceu. Fez um jogo apenas razoável, mas acertou nas conclusões. Lucas Fonseca marcou 1 a 0 no primeiro tempo. Gilberto fechou 2 a 0 já nos acréscimos. Quando o Bahia largou na frente, ficou claro que, a partir daí, as dificuldades seriam maiores. Juninho Quixadá, no lance mais bonito do jogo, concluiu rente à trave. Aí aumentou o sentimento de noite obscura. O Ceará teve mais a posse de bola, não o domínio do jogo. O Bahia foi mais consciente no seu objetivo. Alcançou. A derrota provocou o terrível sofrimento de despedida. Ao abandonar o estádio antes do fim do jogo, o recado patético do próprio torcedor alvinegro: no lugar da tênue esperança, uma espécie de conformação: agora ficar na Série A, só milagre.

Coisas assim

Os técnicos brasileiros precisam rever conceitos sobre convocação de jovens para a Canarinho principal. Em 2010, Dunga não levou os jovens Neymar e Ganso, que estavam dando show no Santos. Motivo: eram jovens demais e não tinham participado do grupo que vinha treinando. Resultado: perdeu a Copa e o cargo

Mais recente

Na Copa 2018, o sacerdote Tite, em ato semelhante ao de Dunga, deixou fora o cearense Everton. Motivo: talvez por não ter feito parte dos grupos antes chamados e não atuar também em times europeus. Resultado: o Brasil perdeu a Copa. Os técnicos precisam olhar mais para talentos que atuam em times brasileiros.

Recordando

30 de agosto de 2008. Hoje faz exatamente dez aos que essa foto foi batida. O goleiro do Ceará, Gustavo, sendo atendido, após sofrer contusão na mão. Detalhes: Gustavo da Silva Pereira está com 39 anos de idade. Nasceu em Itapetininga. Depois que saiu do Ceará, ele jogou no Jataiense-GO, Noroeste-SP e Comercial, onde em 2010 encerrou a carreira.

 

Entra e sai

No Fortaleza as coisas estão se encaixando até mesmo nos momentos mais delicados. Nenê Bonilha sofre contusão, já Jean Patrick volta ao batente. Embora com características diferentes, o time se completa com um ou com outro. Tudo no devido tempo, como se fosse programado. 

Corda

O Fortaleza não pode “pegar corda” do meia do Goiás, Renato Cajá, que disse não crer seja o Leão capaz de ganhar o título de campeão da Série B. Nada de entrar na provocação que só prejuízo trará ao Leão. Deixem que o Cajá fale. Ele até poderá explicar a razão por que o Goiás foi goleado (3 x 0) pelo Vila na rodada passada.

Crédito

Marcelo Boeck tem história no Fortaleza. A subida para a Série B, onde hoje é lider, tem tudo a ver com Boeck. Nas duras disputas da Série C, foi Boeck quem salvou o Leão em muitas oportunidades. Mas deve no momento fazer uma reflexão. Anda tomando gols que em outras épocas não tomaria. Cuidado, Boeck.

Notas & notas. Lamentável o que houve no Pacaembu quando da eliminação do Santos pelo Independiente de Buenos Aires. A torcida santista apelou. Agora preparem a punição que o Santos vai sofrer. O torcedor erra, o time paga. Absurdo. /// Quando terminar a Série B deste ano, o atacante Gustavo Henrique, Gustagol, certamente terá um leque de vantajosas propostas de times da Série A e de times do exterior. Mais ainda se, como tudo leva a crer, continuar assinalando gols em profusão. 

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.