antes do jogo

Ações incentivam a paz nos estádios

00:00 · 17.07.2017
d
Mães de torcedores recepcionaram os filhos no estádio. Clima foi de descontração entre os presentes no Estádio Presidente Vargas ( FOTO: THIAGO GADELHA )

O Fortaleza realizou, ontem, mais uma ação do "Programa Leão da Paz". A iniciativa aconteceu horas antes da partida do Leão diante do Remo, no Estádio Presidente Vargas. O programa foi realizado na última partida realizada pelo tricolor na Capital e promoveu momentos de lazer, descontração e união junto aos torcedores.

As ações tiveram a participação de mães de torcedores, que recepcionam e surpreenderam seus filhos, antes do evento. Foram 40 mães indicadas por 8 torcidas organizadas. Um detalhe curioso é que os filhos não souberam que as mães deles os receberiam na entrada do PV. O clima de descontração e paz foi intensificado com a instalação de três pula-pulas para as crianças que foram ao jogo, nas entradas azul, laranja e amarela.

> Segue o jejum tricolor

Os alunos do curso de Educação Física voltaram a atuar como "stewards" (orientadores de estádio), adotando uma estratégia educativa e cordial para direcionar o fluxo de pessoas e controlar os portões de acesso.

"Nós percebemos que no estádio e no seu entorno se constrói o que eu chamo de estética da violência", explica o ouvidor do Fortaleza, tenente-coronel Plauto de Lima.

O presidente do Fortaleza, Luiz Eduardo Girão, completa. "Queremos exatamente trazer este espírito de união familiar para os jogos", comenta o presidente do Fortaleza

Leões

Para complementar a ação de paz antes da partida, os mascotes de Fortaleza e Remo, que coincidentemente são leões, entraram juntos em campo.

Ambos percorreram o gramado momentos antes da partida, e saudaram as duas torcidas, tanto a do Fortaleza que compareceu em bom número, e do Remo, que foi bem representado, lotando o setor visitante. As animadoras de torcidas de Fortaleza e Remo ficaram juntas.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.