Por críticas à eleição

Venezuela ataca 'Grupo de Lima'

00:00 · 15.02.2018

Caracas/Washington. A representação da Venezuela ante a Organização dos Estados Americanos (OEA) rejeitou veementemente, ontem, as críticas feitas na véspera contra seu calendário eleitoral pelos países que formam o chamado Grupo de Lima.

"Esses países se atribuem uma autoridade que ninguém concedeu para pretender desconhecer nossas instituições", afirmou a representante venezuelana ante a OEA, Carmen Luisa Velásquez, referindo-se ao grupo como "Cartel de Lima".

> Temer decretará calamidade social em Roraima

Na terça, os chanceleres do Grupo de Lima reunidos na capital peruana para debater as eleições na Venezuela rejeitaram a convocação antecipada do pleito eleitoral por parte do governo de Caracas. Para eles, a presença de Nicolás Maduro na Cúpula das Américas no Peru, em abril, não será bem-vinda.

Já o dirigente opositor venezuelano Julio Borges iniciará, na próxima semana, uma turnê pela América Latina para pressionar por garantias frente às eleições presidenciais antecipadas de 22 de abril.

Na Assembleia Geral da ONU, Venezuela e Líbia tiveram seus direitos de voto suspensos pela 3ª vez em 3 anos devido a dívidas pendentes com o órgão.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.