Facebook

Usuário pode 'lucrar' com denúncia de uso indevido

00:00 · 11.04.2018

Washington. O Facebook anunciou ontem que oferecerá uma recompensa a quem denunciar o mal uso de informação privada de seus usuários, como parte dos esforços para melhorar a proteção de dados.

A empresa premiará pessoas com conhecimento direto e provas de casos em que houve uso da plataforma do Facebook para coleta e transferência de dados dos usuários para terceiros para sua venda, roubo, fraudes ou influência política", apontou o chefe de segurança de produtos da companhia, Collin Greene.

> Zuckerberg social é acusado de negligência

O funcionário indicou que o programa foi inspirado nas recompensas oferecidas a usuários do Facebook e outras redes sociais para detectar falhas de segurança.

O valor do prêmio será "baseado no impacto de cada denúncia", explicou Greene, com um mínimo de 500 dólares para casos verificados que afetem 10.000 pessoas ou mais.

"Ainda não há valor máximo. Denúncias sobre falhas de segurança receberam até 40.000 dólares", apontou.

O anúncio coincidiu com a audiência do fundador e diretor executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, ante o Senado americano, em meio ao escândalo sobre o uso não autorizado de dados de usuários durante a campanha eleitoral nos EUA em 2016.

"Vamos analisar cada denúncia legítima e responderemos prontamente quando identificarmos uma ameaça credível à informação pessoal" dos usuários, apontou Greene.

Caso a denúncia seja comprovada, Facebook "vai interromper o comportamente malicioso e tomará medidas legais contra a companhia que vender ou comprar a informação", assegurou.

O Facebook assegura que não vende a seus clientes anunciantes os dados pessoais. O que vende é a possibilidade de que um anunciante chegue, entre os usuários do Facebook, ao seu público-alvo, multiplicando assim a eficácia de uma campanha. O escândalo do Facebook despertou a preocupação dos internautas sobre o uso de seus dados recolhidos pelas redes sociais.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.