Protestos

Sul-americanos pedem fim da violência na Nicarágua

Em meio às manifestações em Manágua, houve saques em supermercados, com pessoas empurrando carrinhos pelas ruas, com produtos furtados ( FOTO: AFP )
00:00 · 24.04.2018

Brasília. Os governos do Brasil, da Argentina, Colômbia, Chile, Paraguai e Peru divulgaram, ontem (23), um documento em que apelaram para que todos os setores da sociedade da Nicarágua cessem os confrontos no país. Em nota, os seis países informam estar preocupados e lamentam a onda de violência nos protestos. Nos últimos dias, manifestações violentas marcaram embates nas principais cidades da Nicarágua. Os números não oficiais indicam pelo menos 25 mortos e mais de 60 feridos.

Os protestos são uma reação à reforma da previdência promovida pelo governo de Daniel Ortega. Em nota, o Itamaraty prestou solidariedade às famílias das vítimas. "Os governos de Argentina, Brasil, Colômbia, Chile, Paraguai e Peru expressam sua preocupação e lamentam os atos de violência ocorridos na Nicarágua nos últimos dias, que causaram inúmeras mortes e feridos", disse o documento.

Em seguida, a nota informou que: (Brasil e demais países) expressam, igualmente, suas condolências e solidariedade às vítimas da violência e a seus familiares. Ao mesmo tempo, fazem apelo urgente a que todos os setores se abstenham do confronto e cessem os atos de força. Em particular, instam as autoridades de segurança a exercer suas prerrogativas com a máxima prudência para evitar o uso excessivo da força e a escalada da crise, permitindo a criação de um clima que restabeleça a paz e o diálogo, essenciais para superar essa grave situação".

Já o governo dos Estados Unidos ordenou ontem a saída dos familiares do pessoal de sua embaixada em Manágua e autorizou a saída voluntária de seus funcionários nesse país, depois de uma onda de violência.

Por sua vez, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro, afirmou que seu homólogo nicaraguense, Daniel Ortega, é vítima de uma "emboscada", ao se referir aos protestos, e disse acreditar que seu aliado sairá vitorioso.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.