"Totalmente legal"

Trump admite que filho se reuniu com russos para obter informações de rival

O Washington Post relatou neste domingo (5) que Trump tem refletido se seu filho, involuntariamente, colocou-se em risco legal

17:07 · 05.08.2018 por AFP
Donald Trump
Donald Trump insistiu, no Twitter, que ele não soube à época do encontro de seu filho Donald Jr. e Natalia Veselnitskaya, advogada ligada ao Kremlin ( Foto: Mandel Ngan/ AFP )

O presidente dos Estados Unidos Donald Trump admitiu, neste domingo (5) que seu filho encontrou uma advogada russa na Trump Tower em 2016 "para obter informações sobre um oponente", mas afirmou ter sido "totalmente legal".

Esse foi o reconhecimento mais claro de Trump de que o motivo da reunião em junho de 2016 foi obter informações de Hillary Clinton, sua concorrente democrata à Presidência.

Trump insistiu, no Twitter, que ele não soube à época do encontro de seu filho Donald Jr. e Natalia Veselnitskaya, advogada ligada ao Kremlin. "Esse encontro foi para adquirir informações sobre um oponente, totalmente legal e acontece o tempo todo na política - e não deu em nada. Eu não sabia disso!".

A reunião passou por um intenso escrutínio do procurador especial Robert Mueller, que está investigando se membros da campanha de Trump se aliaram a esforços da Rússia para interferir nas eleições de 2016 a favor dos republicanos. 

O Washington Post relatou neste domingo que Trump tem refletido se seu filho, involuntariamente, colocou-se em risco legal por se reunir com Veselnitskaya. Trump classificou a reportagem de uma "mentira completa".

Donald Jr. inicialmente disse em uma declaração ao The New York Times em julho de 2017 que a reunião era "principalmente" sobre a adoção de crianças russas por americanos. O Post informou que a declaração foi ditada pelo presidente. 

O filho do presidente admitiu mais tarde que aceitou a reunião com Veselnitskaya, esperando obter informações que prejudicariam Clinton, mas assegurou que não conseguiu nada. 

Os advogados de Trump argumentam que a reunião, por si só, não violou nenhuma lei.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.